Home

Piracicaba comemora 245 anos com festa e entrega de obra

 Vista noturna do Rio Piracicaba com a cidade ao fundo / Foto: Divulgação/GNUVista noturna do Rio Piracicaba com a cidade ao fundo / Foto: Divulgação/GNU

Importante polo industrial e turístico do Estado de São Paulo, a cidade de Piracicaba comemora nesta quarta-feira (1º/8) o seu 245º aniversário de fundação. Os festejos começam desde as primeiras horas da manhã, com banda de música, hasteamento das bandeiras, missa de ação de graças, encenação da “refundação da cidade” e plantio de árvores nativas principalmente às margens do rio Piracicaba. À noite, a prefeitura municipal inaugura importante obra na cidade, a ponte Caio Tabajara Esteves de Lima, que liga a vila Rezende ao centro.

As homenagens à cidade, que se localiza a 164 quilômetros da Capital, na região de Campinas, seguem durante todo o mês e em vários locais: peças teatrais, oficinas, bailes da terceira idade, corais, danças, provas esportivas, inaugurações, lançamento de projetos, shows musicais, duplas caipiras, bem como eventos do calendário oficial inseridos neste período à cidade.

A cidade movimenta a economia com indústrias, escolas, centros de pesquisa, especialmente na agricultura, o turismo, mas sem esquecer das tradições, como a Festa do Divino, a Festa do Milho Verde, que difunde e mantém na culinária "caipiracicabana" a pamonha, a Festa de São João, no distrito de Tupi, e a Festa das Nações. Nos esportes, abriga o Esporte Clube XV de Novembro, que na memória do eushabitantes, ainda é detentor de títulos e de grandes estrelas, como Mazolla, Gatão, Peixinho, Chicão, entre outros.

O turismo pelo rio e às margens do Piracicaba é um das mais importantes da região. Tanto os moradores como os visitantes fazem questão de percorrer os espaços às margens do rio, especialmente aos finais de semana, para usufruir dos diversos equipamentos de lazer, esportivos, culturais ou gastronômicos ali localizados.

HISTÓRIA - Em 1766, o capitão-general de São Paulo, D. Luís Antônio de Souza Botelho Mourão, encarregou Antônio Corrêa Barbosa de fundar uma povoação na foz do rio Piracicaba. No entanto, o capitão optou pelo local onde já se haviam fixados alguns posseiros e onde habitavam os índios Paiaguás, à margem direita do salto, a 90 quilômetros da foz, no lugar mais apropriado da região. A povoação seria ponto de apoio às embarcações que desciam o rio Tiête e daria retaguarda ao abastecimento do forte de Iguatemi, fronteiriço do território do Paraguai.

Oficialmente, o povoado de Piracicaba, termo da Vila de Itu, foi fundado em 1º de agosto de 1767, sob a invocação de Nossa Senhora dos Prazeres. Em 1774, a povoação constitui-se freguesia, com uma população estimada em 230 habitantes, desvinculando-se de Itu em 21 de junho.

Em 1784, Piracicaba foi transferida para a margem esquerda do rio, logo abaixo do salto, onde os terrenos melhores favoreciam sua expansão. A fertilidade da terra atraiu muitos fazendeiros, ocasionando a disputa de terras. Em 29 de novembro de 1821, Piracicaba foi elevada à categoria de vila, tomando o nome de Vila Nova da Constituição, em homenagem à promulgação da Constituição Portuguesa, ocorrida naquele ano.

A partir de 1836, houve um importante período de expansão. Não havia lote de terra desocupado e predominavam as pequenas propriedades. Além da cultura do café, os campos eram cobertos pelas plantações de arroz, feijão e milho, de algodão e fumo, mais pastagens para criação de gado. Piracicaba era um respeitado centro abastecedor respeitado centro abastecedor.

Em 24 de abril de 1856, Vila Nova da Constituição foi elevada à categoria de cidad4. Em 1877, por petição do então vereador Prudente de Moraes, mais tarde primeiro presidente civil do Brasil, o nome da cidade foi oficialmente mudado para Piracicaba.

Mais informações: www.piracicaba.sp.gov.br 

por Mário Iório