Batatais

Localizada na Região Metropolitana de Ribeirão Preto, a estância turística de Batatais é perfeita para quem faz das artes excelentes motivos de viagem. Distante 355 km da Capital, a cidade abriga a Igreja Matriz do Bom Jesus da Cana Verde, onde está o maior acervo de obras sacras do pintor Cândido Portinari (1903 – 1962) no mundo. Ao todo, 28 obras. Outra atração é a Praça Cônego Joaquim Alves, com interessantes esculturas verdes, uma técnica conhecida por topiaria. A cidade ainda abriga a Estação Cultural José Olympio, onde fica localizado o Museu Washington Luís, político que foi prefeito de Batatais e que chegou à Presidência da República.

Explicando com mais detalhes: a Igreja Matriz do Bom Jesus da Cana Verde, hoje Santuário, é o marco inicial da formação urbana de Batatais, sendo as primeiras edificações residenciais e comerciais erguidas no seu entorno. Construída a partir de 1893, a igreja passou por três importantes reformas até o ano de 1954, indo do estilo colonial para o neogótico e atualmente em estilo neoclássico. Um pouco antes, exatamente em 1949, o responsável pelas obras era o engenheiro-arquiteto italiano Carlos Zamboni, que convidou Portinari para realizar as pinturas do novo templo religioso, sendo realizados os grandes painéis em 1952 e a Via Sacra em 1953. Trata-se de um conjunto de 14 quadros da Via Sacra, pintados por Cândido Portinari. Devido ao seu significado artístico e histórico, as pinturas são tombadas pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) e pelo CONDEPHAAT (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo). Destino muito visitado.


Na praça Côn. Joaquim Alves, há distintas esculturas verdes por topiaria, que é a poda de plantas em formas ornamentais

 
Outro atrativo desta estância, que hoje tem uma população estimada pelo IBGE/2020 de 62.980 pessoas, é a Praça Cônego Joaquim Alves formada por esculturas em plantas, arte conhecida como topiaria. É uma característica específica do jardim francês, associado ao passado da monarquia francesa, o jardim com plantas esculpidas representava o controle do monarca, inclusive, sobre a natureza. Tem mais para esta viagem em Batatais: a Estação da Cultura Editor José Olympio que está situada no prédio da antiga estação da Mogiana. O local atualmente sedia o museu Dr. Washington Luís e Biblioteca Municipal Dr. Altino Arantes com apresentação de diversos eventos culturais. E a história tem vez neste destino, como acontece com o centro de documentação da Segunda Guerra Mundial que se constitui em um espaço de memorial organizado pela Capitã Altamira Pereira Valadares, expedicionária Brasileira que se dedicou à coleção de fotografias, documentos, livros e objetos relacionados à história daquela guerra.

Os pontos turísticos de Batatais vão além da cultura. Seus moradores e visitantes contam com o Bosque Municipal Dr. Alberto Gaspar Gomes que possui uma grande área verde com eucaliptos, árvores nativas, parque infantil e pista de cooper. Além disso, dispõem do Parque Náutico Engenheiro Carlos Zamboni e Cachoeira dos Cayapós, com exuberantes paisagens, local onde se encontra a tranquilidade junto à natureza, com quedas d’água, piscinas seminaturais, vegetação em abundância, playground, sanitários, vestiários, lanchonete, área de camping, academia ao ar livre, praia artificial, quiosques, quadra de vôlei e estacionamento. Vale destacar que no centro da cidade, os batataenses têm à disposição o Lago Artificial Ophélia Borges Silva Alves, sempre com muito agito.


O maior acervo de obras sacras do pintor Cândido Portinari está na Igreja Matriz do Bom Jesus da Cana Verde de Batatais
 
Quando o tema é festa, esta estância é bem promissora com a Festa de Santos Reis (Janeiro), Carnaval (Fevereiro), Festa de Peão de Rodeio de Batatais e Exposição de Orquídeas (Março), Encenação da Paixão, Morte e Ressurreição de Cristo (Abril), Festa do Leite de Batatais (Julho), Moto Fest (Agosto), Festival Gastronômico e Cultural di San Gennaro (Setembro). Bom ressaltar que a Festa Di San Gennaro de Batatais é segunda maior festa italiana do estado de São Paulo com objetivo de angariar fundos para um grupo de entidades beneficentes. A Festa do Leite, já com 44 edições, também é famosa. Trata-se de uma das maiores feiras agropecuárias do interior paulista e reúne diversas promoções durante nove dias de eventos, com palestras, shows, torneios leiteiros, exposição de gado, campeonato de hipismo, rodeio, cursos, exposição de cavalo, entre outras atrações.

Conta a história que o nome Batatais aparece em documentos legais na doação de uma sesmaria com esse nome, em 5 de agosto de 1728, pelo governador da capitania de São Paulo, Antônio da Silva Caldeira Pimentel, a Pedro da Rocha Pimentel. Em março de 1839, a freguesia de Batatais tornou-se uma Vila. Isso significava que Batatais precisava ter uma câmara municipal e uma cadeia, passando a ser um município com governo próprio. Por isso, a data é celebrada até hoje como o dia do aniversário da cidade: 14 de março de 1839. Recebeu o título de estância turística em dezembro de 1994.  A cidade orgulha-se de dois ilustres personagens da política nacional brasileira na República Velha: Washington Luís e Altino Arantes. O primeiro, nascido em Macaé em 1870, mudou-se para Batatais após convite de um colega da faculdade de Direito, atendendo processos que envolviam os ricos fazendeiros cafeicultores da região. Em 1894, redigiu o Código de Posturas ou Leis de Batatais e chegou a ser o 13º presidente do Brasil e último presidente efetivo da República Velha. Já Altino Arantes, nasceu em Batatais em 1876. Exerceu quatro mandatos de deputado federal entre as três primeiras décadas do século XX, sendo também governador do Estado de São Paulo entre 1916 e 1920.


Como chegar

Para ir até Batatais, partindo de São Paulo, é preciso acessar  a SP-348 (Rodovia dos Bandeirantes), a SP-330 (Rodovia Anhanguera) até a saída 318-A e a SP-334 (Rodovia Cândido Portinari) até a saída do km 347.

Mais informações: www.batatais.sp.gov.br