Caconde

São cachoeiras, lagos, morros sem fim e opções para o turista que pratica esportes radicais e também para quem quer apenas descansar. No coração da Serra da Mantiqueira, ali onde São Paulo encontra Minas Gerais, aparece Caconde, a 291 km da Capital paulista, um dos destinos mais procurados dentre as estâncias turísticas do Estado. Além da beleza natural do entorno, a cidade proporciona festivais de música e festas regionais que acontecem quase todo mês. Os atrativos vão do turismo rural em fazendas centenárias que têm tradição em cafeicultura, até a vida noturna com bares, lanchonetes e danceterias em volta da Praça Matriz. Ao lado de outras quatro cidades, Caconde pertence à Região Turística Vales do Rio Pardo, além de integrar o Circuito Café com Leite São Paulo-Minas.
 
 
Há várias pousadas na cidade, que proporcionam boa estrutura de lazer e entretenimento, com spa, hidromassagem, cromoterapia, TV a cabo, wi-fi, café da manhã e estacionamento. Além disso, tais equipamentos também oferecem comida ao estilo mineiro, lareira, passeios de charretes, a cavalo, redes, trilhas pela mata, salão de jogos, piscinas, mirante, lagos com pedalinho, tirolesa, passeio de bicicletas e outras atividades. O cenário ajuda. Foi com a construção da Usina Caconde, cujas obras começaram em 1958, que a paisagem foi profundamente modificada. O represamento das águas da barragem, de 450 metros de extensão, proporcionou a formação de um lago artificial que tem 31 km² de área. Assim, Caconde, de 19 mil habitantes (pelo IBGE de 2020) recebe milhares de turistas.


 
Em Caconde, o Rio Pardo tem cachoeiras, remansos e corredeiras num percurso de sete quilômetros de pura aventura
 
São atrativos os mais variados. O Parque Prainha atende diariamente três mil pessoas, tem espaço para 150 barracas de camping, além de uma área com mata nativa e praia fluvial, com grande movimentação na primavera e no verão, aos finais de semana. O visitante chega à Prainha pela Estrada Caconde-Divinolândia, km 6, na estrada para os ranchos. Um ponto panorâmico e esotérico é a Praça do Mirante, que atende mil visitantes diariamente, para esportes como paraglider, tendo instalações e localização de cunho ecológico e estrutura de banheiros e guarda. Nas Escarpas do Rossetto (maior maciço rochoso do município), da era pré-cambriana, há lendas e histórias. Hoje, nesse atrativo cacondense, praticantes de rapel podem apreciar a beleza do local em suas escaladas e descidas.

No Lago Usina Caconde, o turista poderá praticar esportes náuticos, há clubes e ranchos para veraneio e o local propicia a pesca de lazer. Já a Usina Velha, no leito seco do Rio Pardo, há ruínas da antiga casa de máquinas de uma barragem, com lagos e mata nativa nas cercanias, chega-se até ela após um percurso de quatro quilômetros. Caconde tem cachoeiras como a Santa Quitéria, com mais de 50 metros de queda, utilizada para banhos e esportes radicais, com muito verde em volta e, por sua vez, a Cachoeira Mumbuca fica bem próxima ao lago da represa, também com 50 metros de queda. Nas corredeiras do Rio Pardo, os praticantes de esportes radicais como a canoagem, o rafting e o boiacross têm ao seu dispor todos os níveis de dificuldade, que atendem do calouro ao especialista.

 

Entre as trilhas que se percorrem em Caconde, da Usina Velha é uma das mais requisitadas pelos turistas
 
Curiosidades

•          O nome Caconde, segundo uma versão, vem de um termo africano, aplicado à povoação da região angolana banhada pelo rio Cunene e seus afluentes. A denominação foi dada pelos negros fugitivos, quilombolas, ali refugiados muito antes do ciclo do ouro em Minas.

•          Outra versão sobre a origem Caconde diz que seria no tupi “quaqueonde” = “lugar por onde passaram muitos” ou, ainda, através de escravos, uma vez que na África existe uma região chamada Caconda.
•          Um dos primeiros nomes de Caconde, em registros históricos de 1765, é “Nossa Senhora da Conceição das Cabeceiras do Rio Pardo”. No entanto, o dia dois de março de 1775 é considerada como fundação da freguesia primitiva. Em 24 de março de 1874, é sancionada a lei criando a Comarca de Caconde que, por sua vez, é constituída estância em cinco de abril de 1966.

•          A Represa Caconde, com seu lago artificial, estende-se até Minas Gerais, na altura de Poços de Caldas. Essa usina gera 80.400 kW, é a primeira do Brasil a usar um escoadouro do tipo funil e a segunda do mundo em sistema de operação subterrânea.

•          A Basílica Santuário de Nossa Senhora da Conceição, em Caconde, é uma das paróquias mais antigas da Diocese região de São João da Boa Vista, é dedicada à Nossa Senhora da Conceição do Bom Sucesso e foi construída em 1775. Em 2006, passou a ter um Vínculo de Afinidade Espiritual (Vinculi Adfinitatis Spiritalis) perpétuo com a Sacrossanta e Papal Basílica de Santa Maria Maggiore, em Roma, Itália.

Não deixe de ver

•          Na Trilha e Capela do Pontal, há belíssimas paisagens silvestres. É ideal para a realização de caminhadas por cachoeiras e trilhas por vegetação ribeirinha. No topo, há a Capela, local histórico, de antigo quilombo e dá vista panorâmica para o Vale do Rio Pardo.

•          A Trilha do Fuga é ecológica, tem rara beleza, e o antigo leito do Rio Pardo é hoje desviado. Excelente opção para praticantes de ecoturismo.

•          A Basílica Santuário de Caconde é uma construção neorromânica pura e em seu interior encontram-se expostas três telas a óleo em estilo clássico, pintadas pelo pintor cacondense Edmundo Migliaccio.

•          A Praça do Mirante, com cerca de 1,1 mil metros, é ideal para meditar, namorar ou apreciar a vegetação de todo o local, além de permitir visão em 360 graus do horizonte. É tida como cartão postal em Caconde.

Como chegar

•          São 291 km de Caconde a São Paulo. Saindo da Capital, o turista deve pegar a Rodovia dos Bandeirantes (SP-348), caindo na Via Anhanguera (SP-330) na saída do km 47, ficando na rodovia até o km 86. Entrando no Anel Viário de Campinas (SP-083), sentido Mogi Mirim.

•          Na Rodovia D. Pedro I (SP-065), o turista deve pegar a saída do km 133, para entrar na SP-340 (chamada Rodovia Governador Doutor Adhemar Pereira de Barros). Nela, tem que ir até à saída do km 237.

•          O turista tem que pegar a rotatória do Trevo da Casa Branca e entrar na segunda saída, à direita, entrando na Rodovia Eduardo Vicente Nasser (a SP-350) até a saída do km 285. Depois, é só entrar na rodovia João Bravo Caldeira (a SP-253) até chegar a Caconde.


Para saber mais, entre no link www.caconde.sp.gov.br