Embu das Artes

Distante apenas 28 km da Capital fica Embu das Artes, estância turística que há muito tempo faz parte do catálogo de passeios imperdíveis dos paulistanos, em especial aos finais de semana. Denominada apenas Embu até 2011, passou a ter a denominação de Embu das Artes através de um plebiscito, isto é, consulta popular, em consequência do volume e da qualidade de seus artistas. Localizada na Região Sudoeste da Grande São Paulo e com uma população estimada, pelo IBGE/2020, de 276.535 pessoas, a cidade recebe cerca de 800 mil visitantes por ano, segundo a prefeitura. O maior motivo, entre inúmeros atrativos deste destino com ruas estreitas e muitas delas de paralelepípedos, é a Feira de Arte e Artesanato, realizada desde 1969, no Centro Histórico da cidade para divulgação e venda do trabalho de artistas locais. Acontece aos sábados, domingos e feriados, das 9h às 18h. Sempre lotada.

O sucesso da atividade turística é uma conquista antiga deste local que se tornou estância em 1979, e de lá para cá vem se aprimorando neste setor que se traduz numa soma de itens desde a variedade de hotéis, pousadas, restaurantes, bares, antiquários, lojas de artesanato, de móveis rústicos, até ateliês e galerias de arte. Este Turismo de Compras a céu aberto é extremamente diversificado e tem à disposição do público, almofadas, mantas, tapetes, aparelhos de jantar, mobílias dos séculos XVII, XVIII e XIX, cristaleiras, barracas de doces, abajures, quadros, flores artesanais, calçados, bolsas e tantos outros artigos como, as bonecas de cerâmica do Vale do Jequitinhonha, MG. Tudo lá é muito colorido, pois além da feira há muitas lojas no entorno também esbanjando arte e bom gosto, sem contar que o Centro Histórico tem mais de cinco séculos. 

 


A diversidade de artesanato é uma das atrações para o Turismo de Compras da cidade, em especial aos finais de semana


Bom saber que toda esta arte é importante fonte propulsora de sua economia, gerando dois mil empregos diretos e outros cinco mil indiretos. Conta a história que os padres jesuítas que colonizaram em 1554 a antiga aldeia de M'Boy, hoje esta estância turística, já se expressavam pela arte, nas pinturas e esculturas que usavam para catequizar os índios. Uma mostra desse legado está no Museu Jesuíta de Arte Sacra, construído entre os séculos XVII e XVIII. Trata-se de uma construção caracterizada pela simplicidade das linhas retas e seu tombamento pelo IPHAN é de 1938. Funcionando desde a década de 90 na Igreja de Nossa Senhora do Rosário, já abrigou a residência dos padres da Companhia de Jesus na cidade, é o símbolo da cidade e sua importância é reconhecida internacionalmente. Fica no Largo dos Jesuítas, bem no centro histórico. De acordo com muitas narrativas, a vocação artística deste destino começou a projetar-se em 1937, quando Cássio M'Boy, santeiro de Embu, ganhou o Primeiro Grande Prêmio na Exposição Internacional de Artes Técnicas em Paris. Antes disso foi professor de vários artistas e recebia em sua casa expoentes do Movimento Modernista de 1922 e das artes em São Paulo, incluindo Anita Malfatti, Tarsila do Amaral, Oswald de Andrade, Menotti Del Picchia, Alfredo Volpi e Yoshiya Takaoka. Após Cássio M'Boy, seguiu-se Sakai de Embu, reconhecido internacionalmente como um dos grandes ceramistas-escultores brasileiros, e que forma um grupo de artistas plásticos ao qual pertence Solano Trindade que chegou no Embu em 1962 e trouxe, consigo, a cultura negra, congregando um grupo de artistas em seu redor e introduzindo a tradição dos orixás.


Muito visitado também é o Museu do Índio que reúne uma coleção de objetos usados nas tribos das regiões Centro-Oeste e Amazônica, como brinquedos, utensílios domésticos e armas. O espaço foi criado pelo artista plástico Waldemar de Andrade e Silva, que durante oito anos viveu no Parque Indígena do Xingu, no Mato Grosso. É instituição privada, vinculada ao Centro de Informação da Cultura Indígena que é responsável por conservar, pesquisar e expor ao público um acervo etnográfico e etnológico composto por mais de 500 peças, além de manter uma programação cultural relativa ao universo indígena brasileiro. Fica na Rua da Matriz, bem no Centro da cidade. Outro local interessante para passear é a Feira do Verde localizada na Rua Siqueira Campos e que acontece também aos finais de semana, com uma diversidade de plantas, flores e árvores frutíferas de pequenos produtores. Embu das Artes dispõe também do Instituto Portucale com acervo de peças de cerâmica portuguesa do final do século XVIII ao início do século XX e é composto por uma equipe de ceramistas e restauradores. Endereço: Rua Taji Takahashi, 785.


Além das artes, esta estância conta com a Cidade das Abelhas, para quem aprecia a natureza e que está localizada em uma área de preservação ambiental no meio da Mata Atlântica, na Estrada da Ressaca, km sete. É um passeio para se agregar um pouco mais sobre a vida de apicultor e a criação de abelhas. E para relaxar, uma boa ideia é fazer um passeio até o Parque do Lago Francisco Rizzo povoado por dezenas de espécies aquáticas e com um lago bem acompanhado de um extenso espaço verde. Há atrativos como pistas de Cooper, parque infantil, academia de ginástica ao ar livre, brinquedoteca, viveiro de mudas entre outros. Fica no km 282 da Rodovia Regis Bittencourt.

 


O Museu de Arte Sacra dos Jesuítas fica no complexo que engloba a Igreja de N. Sra. do Rosário, no centro histórico


 
Conta a história que a origem do nome "Embu" é uma corruptela do nome da aldeia jesuítica que deu origem à cidade: Mboy. Trata-se de um termo oriundo do tupi antigo mboî'y ("rio das cobras", a partir da junção dos termos mboîa, "cobra" e 'y, "rio"). Fundada pelos jesuítas provavelmente em 18 de julho de 1554, a aldeia de Bohi, hoje Estância Turística de Embu das Artes, só começou a ser uma cidade independente a partir de 18 de fevereiro de 1959, data em que foi criado o município de Embu, desmembrado de Itapecerica da Serra.

Como chegar

Para ir até Embu das Artes, saindo de São Paulo, é preciso acessar a BR-116, Rodovia Régis Bittencourt, até a saída 279.

Mais informações: www.embudasartes.sp.gov.br