Guarujá

Uma das mais conhecidas estâncias litorâneas do Brasil, Guarujá, que fica a 98 km de São Paulo, é praticamente um sinônimo de turismo. Suas 27 praias ao longo de 22 km de litoral, cada uma delas com sua peculiaridade, extensão e beleza, fazem desse destino a soma perfeita de sol, mar e o verde da Mata Atlântica que as emoldura. Em geral, as águas dessas mesmas praias são límpidas, há orlas bastante urbanizadas e outras ainda selvagens, o que faz o turista percorrer trilhas ou ir de barcos para chegar até elas. A cidade é muito bem estruturada, pois desde o final do século XIX, o turismo se desenvolveu de modo contínuo em Guarujá, que praticamente se profissionalizou muito rápido nesse quesito. São histórias de um destino que se moldou com força.

A estância, que faz parte da Região Turística Costa da Mata Atlântica, tem atualmente 322,7 mil habitantes, pelo IBGE de 2020. Durante a alta temporada de verão, Guarujá consegue aumentar a taxa de turistas em 56%, principalmente entre o Réveillon e o Carnaval, pois a cidade chega a receber 2,5 milhões de pessoas vindas de todas as procedências. E o turismo de sol e praia é apenas uma parte do agito guarujaense, pois o destino é também procurado para congressos, seminários e eventos de negócios. À noite, a diversão se concentra principalmente nas praias mais centrais, onde há opções de restaurantes charmosos, boates, barzinhos com música ao vivo, shows, cinema, teatro e shoppings. Há atrativos para o ano todo.
 



O Morro da Caixa D’Água é um passeio imperdível e oferece ao turista visão de parte do Guarujá, de Santos e São Vicente
 

Com sua coleção de 27 praias, Guarujá é um cardápio para todos os gostos e bolsos. Desde as mais procuradas, como as praias de Pitangueiras e Enseada, que são recomendadas para os que preferem ficar próximos de onde as coisas acontecem, há outras, bem pequenas e desertas, como a da Fortaleza da Barra Grande, de apenas 30 metros de extensão, para turistas aventureiros. Na Praia do Góes, com extensão de 250 m, há uma vila de pescadores, cujo acesso se faz por trilha ou por barco, mas de onde se pode avistar o mais belo pôr do sol da região. Dentre as praias mais conhecidas de Guarujá estão as de Pernambuco, do Tombo, Guaiúba, Astúrias e Perequê. Já praias como as de Cheira Limão e Sangava são para turistas bem desbravadores.

Para o turista curtir um bom fim de tarde depois do banho de mar, pedalar bicicletas é a pedida. Segundo a Agência Metropolitana (Agem), há cerca de 35 mil bicicletas pelas ruas e ciclofaixas de Guarujá, o maior número de todo o litoral paulista. Shows musicais com grandes nomes do cenário artístico são programados para o Festival de Verão, sempre em janeiro. Se o visitante for apenas para descansar, a dica é ir ao destino fora da alta temporada, para não encontrar praias atestadas pela Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) como impróprias para o banho por causa do movimento intenso. São praias, trilhas, fortes, mirantes e muita natureza numa cidade que aprendeu a desenvolver seu turismo e que dele se fez sinônimo.





O Morro do Maluf tem visão panorâmica do Guarujá, é um dos lugares mais tradicionais da cidade e tem visão panorâmica
 
Não deixe de ir

•          ...às fortalezas, como a de Santo Amaro da Barra Grande, entre as praias do Góes e de Santa Cruz dos Navegantes, um monumento histórico-militar do século XVI, com acesso por trilhas próprias ou embarcações. O Forte dos Andradas, entre a praias do Monduba e do Bueno, possui túneis com dezenas de galerias dentro do morro. Os fortes do Itapema e de São Luiz e São Felipe, do século XVI, estão entre os mais antigos do Brasil.
•          ...aos mirantes como o do Morro da Caixa d’Água, com ótima vista das praias do Tombo e das Astúrias, perfeito para voos de parapente. O mirante do Morro do Maluf, ao final da Praia das Pitangueiras, oferece visão deslumbrante da Enseada, bom para o parapente e o rapel. Do mirante do Costão das Tartarugas, no final da Praia da Enseada, vêem-se tartarugas marinhas no local onde elas se alimentam.
•          ...ao maior aquário de água salgada da América do Sul, o Acqua Mundo, na Praia da Enseada. São mais de 230 espécies e mais de oito mil animais em exposição, divididos em 35 tanques temáticos. Há tubarões, pinguins, tartarugas, raias, répteis e lobo marinho. Destaca-se o tanque Oceano, com 800 mil litros de água marinha e visores laterais, para o turista interagir com os mergulhadores.
•          ...a trilhas como a da Fortaleza de Santo Amaro da Barra Grande, com acesso pela estrada do bairro de Santa Cruz dos Navegantes, o nível de dificuldade é leve e conduz ao forte construído em 1584. Chega-se à trilha da Praia do Éden, pela Estrada de Pernambuco (Av. Marjory da Silva Prado), de carro ou a pé, até o topo do morro, a duração é de 20 minutos e há uma descida de 40 m por escadaria de pedras até à Praia do Éden, de areia clara e mar cor de esmeralda. Outras trilhas são a da Praia Preta e Camburi, a da Praia Branca, das Ruínas e do Conde.
 
Curiosidades

•          Muito antes das tribos tupis chegarem à ilha de Santo Amaro, onde hoje se localiza Guarujá, os homens dos sambaquis (há oito mil anos) ocupavam o território que, no século XVI, passou a fazer parte da Capitania de Santo Amaro, de propriedade de Pero Lopes de Sousa, irmão de Martim Afonso de Sousa. Durante séculos, a ilha foi esquecida, deixada em segundo plano ou sendo utilizada como mero atracadouro de navios para reformas.
•          A Praia de Santa Cruz dos Navegantes, que tem uma vila de pescadores, marinas e estaleiros para barcos pesqueiros, foi assim batizada por Américo Vespúcio, em sua expedição náutica pela região, em 1502.
•          A fundação de Guarujá se deu em dois de setembro de 1893. Somente com o ciclo do café, empresários vislumbraram em apostar suas fichas no turismo, criando balneários e hotéis de luxo, como o La Plage.
•          Em 1911, o poderoso empresário americano Percival Farquhar (que construiu no Norte do Brasil a Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, com a locomotiva “Mad Maria”) adquiriu a empresa que administrava o hotel, denominando-a de Companhia Guarujá.
•          O Grand Hôtel de La Plage foi um marco no turismo de luxo, no Brasil, reinaugurado em 1912. Neste mesmo hotel viria a morrer, 20 anos depois, o aeronauta e inventor brasileiro Alberto Santos-Dumont.
•          O nome Guarujá é derivado do tupi “agûarausá”, que designa um tipo de caranguejo, o guaruçá. Os tupis deram o primeiro nome à ilha (de Santo Amaro), como sendo Guaibê (lugar de caranguejos) ou também de Guaruya (passagem estreita).
•          Quando se fala da cidade, apesar de ser comum empregar o artigo definido “o” antes do nome dela, este uso é incorreto. Deve-se, portanto, dizer “tenho casa em Guarujá”, mas não “tenho casa no Guarujá”.

Como chegar

Para chegar em Guarujá, saindo de São Paulo, é preciso acessar a SP-160 (Rodovia dos Imigrantes) até saída 57-B e SP-055 (Rodovia Cônego Domênico Rangoni)

Para saber mais, clique no site https://www.guaruja.sp.gov.br/turismo