Iporanga

O município de Iporanga, localizado na região do Vale do Ribeira, Sul do Estado de São Paulo, é um destino turístico privilegiado porque é cercado por unidades de conservação, dentre as quais se destacam o Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira – Petar e o Parque Estadual Caverna do Diabo. Com cerca de 36 mil hectares, o Petar abriga um valioso patrimônio natural, composto por sítios espeleológicos, paleontológicos, arqueológicos e históricos, além da grande diversidade biológica característica da Mata Atlântica preservada em toda sua extensão. Situa-se junto às margens do rio Ribeira de Iguape e na foz do Ribeirão Iporanga. É conhecida como “Capital das Cavernas”, pela grande incidência de cavernas calcárias na área do município. São cerca de 360 cavernas catalogadas.

O Turismo de Aventura e o Ecoturismo são as marcas desta cidade repleta de cavernas, cachoeiras e grutas e que fica distante 312 km de São Paulo. Com uma população estimada pelo IBGE/ 2020 de 4.200 pessoas, Iporanga lidera na preservação da Mata Atlântica, uma vez que a Revista Fapesp divulgou o senso Inventário Florestal 2020 e, na relação dos municípios que mais a preservam, o destaque foi para Iporanga. São mais de 90% de área do município com Mata Atlântica.

 
 
Caverna da Água Suja, com salões e um rio com cachoeira, e a que dá nome ao núcleo, com imensa variedade de espeleotemas
 
Vale ressaltar que o Petar conta com cavernas, dezenas de cachoeiras, trilhas, comunidades tradicionais e quilombolas, sítios arqueológicos, paleontológicos, mostrando-se como um verdadeiro paraíso escondido entre vales e serras. Criado por um decreto em 1958 (Governo do Estado de SP), tornou-se, depois da década de 90, um dos locais mais perfeitos e procurados para a prática de esportes de aventura com espeleo, rapel, bóia cross, cascading, bike, e de algumas atividades como educação ambiental, fotografia e observação da natureza. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas.

Os atrativos são intensos. O parque é dividido em quatro núcleos: Santana, Caboclos, Casa de Pedra e Ouro Grosso. No bairro da Serra, a 14 quilômetros do Centro, ficam as melhores pousadas e o acesso ao Núcleo Santana, com as cavernas mais visitadas.  Entre elas estão a do Couto, que abriga uma queda-d'água de quatro metros; a da Água Suja, com salões e um rio com cachoeira; e a que dá nome ao núcleo, com uma imensa variedade de espeleotemas (nome genérico de todas as formações rochosas que ocorrem tipicamente no interior de cavernas como resultado da sedimentação e cristalização de minerais dissolvidos na água). em meio às galerias alcançadas por passarelas e escadas de madeira. Para chegar às grutas é preciso caminhar por belas trilhas contornadas por cedros, figueiras, palmeiras e muitas cachoeiras.


 
 
Vista panorâmica da cidade pelo mirante localizado no alto da margem direita do rio Ribeira de Iguape
 
A melhor época para visitar Iporanga e desfrutar seus inúmeros atrativos é entre os meses de abril e novembro, quando as chuvas diminuem e as estradas ficam mais acessíveis. Bom saber que desde abril de 2018, este destino foi transformado em Município de Interesse Turístico – MIT e, assim pode avançar e aprimorar sua atividade turística com a melhoria das infraestruturas.

Conta a história que os primeiros vestígios de ocupação de ascendência europeia em Iporanga datam de 1600, sendo que só veio a ser habitada por este tipo de colonizador em meados de 1650, com a exploração do ouro, quando se deu a formação do garimpo de Santo Antônio e quando teve seu primeiro registro por escrito: um registro de terras em que aparece com o nome de Upuranga. Iporanga teve a fundação oficial do arraial no ano de 1755. De 1939 a 1943, o município de Iporanga foi composto dos Distritos de Iporanga e Barra do Turvo. Em fevereiro de 1964, o Distrito de Barra do Turvo desmembra-se de Iporanga. Vale ressaltar que Iporanga é um vocábulo de origem tupi que significa "rio bonito", através da junção dos termos y (rio) e porang (bonito). É uma referência ao Ribeirão Iporanga, na foz do qual se localiza o município.



Como chegar

Para ir até Iporanga, saindo de São Paulo, é preciso acessar a BR-116 (Rodovia Régis Bittencourt) até a saída 475, a SP-193 (Rodovia José Edgar Carneiro dos Santos) e a SP-165 (Rodovia Benedito Pascoal de França).




 
Mais informações: www.iporanga.sp.gov.br