Itanhaém

A 111 km de distância da Capital, na região metropolitana da Baixada Santista, encontra-se a estância de Itanhaém, a segunda cidade mais antiga do Brasil. Com uma área de 601,711 km² e caracterizada por depósitos quaternários, formada por mangues, jundus (vegetação litorânea que cresce com arbustos associados a gramíneas) e pequenas florestas, o município tem muito a oferecer para os milhares de turistas que passam por ali todo ano, com suas praias, atrativos ecológicos e muita história. O número de habitantes é estimado em 103.102, segundo o IBGE/2020, mas no final do ano e, em feriados, este número aumenta, chegando no total a uma população flutuante de 450 mil pessoas.

As praias são o cartão postal de Itanhaém com 26 km divididos em 14 praias. As mais procuradas são a Praia dos Sonhos, Cibratel e dos Pescadores, por causa de suas belezas naturais e principalmente por suas balneabilidades, que são a qualidade da água e a possibilidade de praticar esportes. Além das três, outras praias bastante procuradas são o Praião (Praia de Itanhaém), Praia do Tombo (Barra do Turvo), Praia da Saudade, Praia das Conchas, Praia do Suarão e Praia da Gaivota.

 


Ilha das Cabras, em períodos de maré baixa pode ser acessada a pé, sendo um dos visuais mais atraentes da cidade

 
Itanhaém conta com expressivos atrativos náuticos como as ilhas fluviais. A Ilha Queimada Grande, 35 km de distância da costa, só pode ser apreciada de uma distância segura, ela é dominada por cobras venenosas, a jararaca-ilhoa é a única espécie do Brasil que sobe em árvores e sua picada pode matar rapidamente; a Ilha Queimada Pequena, 22 km de distância da costa, tem uma variedade de peixes coloridos e sua formação rochosa é cortada ao meio por um canal de cerca de vinte metros, ela pode ser visitada e permite mergulhos; a pequena Ilha das Cabras, de formação rochosa e vegetação no topo do morro, só pode ser visitada em horários específicos por causa do seu tamanho, e em períodos de maré baixa a ilha pode ser acessada, inclusive, a pé, sendo um dos visuais mais atraentes da cidade. Fica entre a Praia dos Pescadores e a Praia dos Sonhos. E as ilhas Volta Deixada e Bairro do Rio Acima podem ser vistas da cidade.

Ainda voltado para o turismo náutico, há rios que podem ser apreciados, uma vez que esta estância conta com a segunda maior bacia hidrográfica do Estado de São Paulo, com mais de dois mil quilômetros de extensão e 180 deles são navegáveis. O Rio Itanhaém, conhecido por Amazônia Paulista, é onde as águas escuras do Rio Preto e as águas cristalinas do Rio Branco se encontram, mas não se misturam. Este mesmo fenômeno acontece entre os rios Negro e Solimões, na Amazônia. Bom para o turismo.

Mas em terras firmes, o Ecoturismo tem grande influência na cidade, metade da sua área preserva a Mata Atlântica, que integra o Parque Estadual da Serra do Mar, 50 cachoeiras e 14 praias. O turista pode se aventurar pelas duas trilhas do município, a do Morro Sapucaitava, com uma flora (peroba, canela, jequitibá, aroeira, samambaias, bromélias e caetés) e fauna (lagartos teiú, caxinguelê, preá, sabiás, beija-flores, corujas, gaivotas e tiés) abundantes, apropriado para um passeio em família. Já a trilha do Morro do Piraguyra, afastado da influência do mar, chama a atenção pela preservação e vegetação típica, com um lago no topo formado pelo acúmulo de águas de chuva e drenagem natural.


 


Passarela e Cama de São José de Anchieta, catequizador dos índios, poeta e que ajudou na fundação de cidades



Já o turismo histórico está muito ligado com o religioso, proporcionando muitos lugares para serem visitados, como a Cama do Anchieta, que chama a atenção pela paisagem que a passarela proporciona e por causa da história do São José de Anchieta, conhecido por ter catequizado os índios, ajudado na fundação de cidades e também pelos seus poemas. Em tempo: no ano de 2014 se tornou o terceiro santo brasileiro. A Gruta Nossa Senhora de Lourdes é o local que fica a imagem da santa, construída na década de 60 e é feita de um material parecido com fibra de vidro, e no alto do Morro do Itaguaçu, encontra-se o Convento Nossa Senhora da Conceição, um dos edifícios mais antigos do Brasil, a data da sua fundação é dois de janeiro de 1654 e já foi um dos principais pontos de peregrinação do país, hoje é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). O Museu, antiga câmara e cadeia, a Igreja Matriz de Sant´Anna, Igreja Nossa Senhora do Sion também são pontos que devem ser visitados e guardam parte da história de Itanhaém.

Segundo historiadores, o município teve início no dia 22 de abril de 1532, fundado por Martim Afonso de Souza, líder da expedição enviada pelos portugueses. O povoado começou a surgir estrategicamente no alto do Morro do Itaguaçu junto com a construção do Convento. Em abril de 1561 foi constituída a Vila de Nossa Senhora da Conceição de Itanhaém, em 1624 se tornou sede da Donatária de Martim Afonso. Já em 1906, tornou-se Município e mudou seu nome para Itanhaém, que significa bacia ou panela de pedra no tupi guarani, e obteve o título de Estância em 1948.

Como chegar

Para chegar até Itanhaém, saindo da Capital é preciso acessar a SP-160 (Rodovia dos Imigrantes) até a saída 57-A e  a SP-055 (Rodovia Padre Manoel da Nóbrega) até a saída km 323,5.


 
Mais informações: www.itanhaem.sp.gov.br