Itatiba

Itatiba é um município da Região Metropolitana de Campinas, distante 84 km da Capital e é conhecida como "Princesa da Colina", devido ao seu relevo acidentado. Com uma população estimada pelo IBGE/2020 de 122.581 habitantes, demonstra avanço na atividade turística, uma vez que integra o Pólo Turístico do Circuito das Frutas. Em tempo: o agronegócio local conta com um grande aliado, o caqui que é a estrela deste destino, Município de Interesse Turístico - MIT desde 2018. Esta famosa Festa do Caqui, evento importante para a cidade com inúmeras atrações já chegou a receber, em dois finais de semana, mais de 52 mil visitantes. 

O Turismo Rural, o Histórico-Cultural e de Negócios fazem parte de Itatiba e possibilitam passeios por inúmeras chácaras, fazendas, sítios, ranchos, além de alambiques, pesqueiros, cachaçarias, adegas e empórios. Os visitantes podem conhecer também diversos tipos de árvores frutíferas e percorrer trilhas em um passeio de trator. A vivência resgata a cultura local desde os hábitos e costumes até os sabores das comidas típicas como a polenta e o bolinho de arroz da nona. Os vinhos, licores, geléias, pães caseiros, bolos, doces caseiros, pimentas, suco de uva integral, entre outros produtos, fazem a festa dos turistas.

Em razão de todo este cenário, a atividade turística anda à solta por Itatiba,  palavra que significa "Muita Pedra" na língua Tupi.  Possui em sua região central, edificações do século XIX de destacada beleza arquitetônica como o Museu Municipal ‘Padre Francisco de Paula Lima' e outras que relatam sua história; a bonita Praça da Bandeira, o Coreto e a Basílica de Nossa Senhora do Belém com a sua torre, uma das maiores do interior paulista. A cidade conta, ainda, com o Mercado Municipal ‘Dona Lica', áreas verdes com opções de lazer e áreas para prática de esportes e atividades voltadas ao bem estar, como o Parque Luís Latorre (área de 355 mil m²), as Academias ao Ar Livre e o Parque Ferraz Costa.


 
 
Conservatório Municipal Profª Alba Panzarin Degani instalado em um casarão com arquitetura colonial típica do séc. XIX

Os atrativos turísticos de Itatiba são diversificados e para todos os gostos como, por exemplo, o Conservatório Municipal Profª Alba Panzarin Degani instalado em um casarão com arquitetura colonial típica das últimas décadas do séc. XIX.  O sobrado era sede de uma chácara e tem passagens interessantes na história de Itatiba. Desde 2012, recebe alunos de todas as idades nas oficinas de arte e música e também é palco de apresentações de artistas de Itatiba e da região. Também em destaque, o Planetário Municipal Prof. Benedito Rela, que exibe sessões com recursos gráficos, que tornam a viagem visual pelo espaço muito mais atraente. As apresentações têm imagens amplas, de qualidade e com alto grau de imersão.

Mais passeio: o Zooparque, fundado há mais de 20 anos contempla uma área de 500 mil m² e abriga 1.200 animais de 180 espécies (entre mamíferos, aves, répteis e anfíbios). Está inserido em um fragmento de Mata Atlântica cujos animais vivem em amplos ambientes naturais e, neste ano, o zoológico de Itatiba inaugurou sua nova atração “Viagem pela Evolução e Biodiversidade do Mundo”, local em que os visitantes poderão conhecer sobre a pré-história brasileira.

Além dos animais, das frutas e da cultura, o Turismo de Negócios também tem uma parte expressiva em Itatiba que ganhou, na década de 1970, a denominação da Capital Brasileira do Móvel Colonial. A produção naquela época era centrada na produção de móveis coloniais, porém com o passar dos anos, as fábricas tiveram que se adaptar às novas tendências de mercado, passando a produzir móveis por encomenda, o que significou uma grande mudança para a cidade. Além das lojas pelo município, atualmente há um shopping especializado em móveis.


 
 

O Zooparque, fundado há mais de 20 anos, abriga 1.200 animais de 180 espécies, entre mamíferos, aves, répteis e anfíbios
 
Conta a história que foi no território de Jundiaí, nos seus limites com antigas Vilas de Atibaia, Bragança e Campinas, que teve início a história da ocupação e posterior fundação da cidade de Itatiba. Até meados do século XVIII (por volta de 1750), esta área não era ainda ocupada pelo homem, mas isso não significa que ela fosse desconhecida. Como exemplo desse fato, sabe-se que desde os idos de 1700, o Rio Atibaia já era utilizado para a navegação, servindo como meio de transporte para pessoas e mercadorias entre uma vila e outra. Em fevereiro de 1857, a Lei nº 553 criava a Vila do Belém de Jundiaí. Posteriormente, a Vila foi promovida à cidade (em 1876) e a modificação de seu nome ocorreu logo em seguida, em 1877, época em que passou a se chamar Itatiba.


Como chegar

Para ir até Itatiba, saindo de São Paulo, é preciso acessar a SP-348 (Rodovia dos Bandeirantes) até a saída 47, SP-330 (Rodovia Anhanguera), até a saída 61 e a SP-360 (várias denominações)



 
Mais informações: www.itatiba.sp.gov.br