Jacareķ

Com 235.416 habitantes, de acordo com o IBGE/2020 e distante 80 km de São Paulo, Jacareí tem muita história para contar. Localizada no centro do Vale do Paraíba, a cidade é cortada pelas rodovias Presidente Dutra, Carvalho Pinto, Dom Pedro, Tamoios e Ayrton Senna, o que facilita o acesso à cidade. Desde abril de 2018 é um Município de Interesse Turístico –MIT e dispõe de diversificados atrativos turísticos, além de sua vocação industrial, o que contribui para o fluxo de visitantes.

Conhecida como a Capital da Cerveja, desde a década de 80, quando duas grandes fábricas de cerveja se instalaram em Jacareí, este título sempre foi exibido com orgulho a moradores e visitantes em outdoors instalados na entrada da cidade. Passado o tempo, tal vocação cervejeira agora foi revitalizada pela força das cervejas artesanais, motivando a criação do projeto “Jacareí, Terra da Cerveja”, lançado pela prefeitura para estimular o turismo na cidade. Isto aconteceu no final de 2019 com a criação de leis de incentivos, cursos e workshops sobre cerveja artesanal, para incentivar a formação de novos cervejeiros e atrair os apreciadores da bebida para este destino.

No coração da cidade é possível encontrar o Mercado Municipal, conhecido como Mercadão, onde turistas e moradores podem encontrar uma grande variedade de mercadorias, que vão desde hortifrutigranjeiros, flores, peixes, carnes, artigos religiosos, cereais, ervas até bijuterias, artesanato e eletroeletrônicos. Além disso, no local também ocorrem apresentações musicais que enaltecem a cultura regional. A história do Mercado Municipal de Jacareí confunde-se com a da própria cidade. O primeiro prédio foi construído em 1876, com paredes de taipa. As obras foram totalmente concluídas em 1906. A inauguração do Mercado Municipal revitalizado ocorreu em dezembro de 2015 e atualmente, conta com 120 boxes, distribuídos em 12 “ruas”.

 
 
 
O Viveiro Municipal “Seo Moura”, de 600 mil m2, é um patrimônio natural na zona urbana do município
 

Tem mais: o município possui um circuito religioso com várias igrejas restauradas, que valem a pena visitar. O núcleo inicial foi a Capela do Avareí (1728) e depois o Largo da Matriz (século 19), que foi urbanizado na década de 1930. Atualmente, o largo da Matriz é palco das festas em homenagem à padroeira da cidade, Imaculada Conceição, que são realizadas há mais de 100 anos. O dia da padroeira é oito de dezembro, feriado municipal. Além desta há a Igreja de Nossa Senhora do Bonsucesso e a Igreja do Avareí que se constituem são passeios indispensáveis dentro do Turismo Religioso. A cidade também conta com a Sala Ariano Suassuna, com capacidade de até 700 lugares e que faz parte do complexo EducaMais Jacareí. Trata-se de um local onde a educação ganha destaque com o Centro de Formação de Professores, com 11 salas multiuso para atender os cerca de 1.300 professores da rede municipal. O projeto é assinado pelo renomado arquiteto Ruy Ohtake. Pela linha da cultura, bom destacar o Museu de Antropologia do Vale do Paraíba, cuja finalidade é a preservação do patrimônio histórico, artístico e cultural, material e imaterial de Jacareí e do Vale do Paraíba. A instituição participa de pesquisas acadêmicas sobre museologia, história, educação, turismo, entre outras, e está localizado na Rua XV de Novembro, bem no Centro da cidade.

Por ser banhada pela Represa do Jaguari, a cidade recebe competições de natação, canoagem e muitas opções de lazer para toda a família, como pontos de pesca a passeios de barco.  No total a represa possui 50km² repletos de paisagens interessantes. Mais lazer: no Parque dos Eucaliptos com uma área de 28 mil m², é um espaço destinado às práticas esportivas como caminhadas, corridas, muito seguro e bem equipado, com lago e palco para shows, em meio a muito verde. Fica no centro de Jacareí, na Avenida Nove de Julho.

Outra recomendação para o conhecimento do visitante é o Viveiro Municipal Seo Moura, uma área rodeada por lindas paisagens naturais e muito verde, que oferece educação ambiental, plantio de mudas e opções de trilhas para caminhada e cicloturismo. Localizado em 600 mil metros quadrados de área verde no bairro Campo Grande, é um patrimônio natural na zona urbana de Jacareí. Foi idealizado e criado pelo ambientalista Francisco de Moura, “Seo Moura”, falecido em 8 de junho de 2007. Vale ressaltar que possui uma ampla e diversificada flora que abrange árvores nativas e exóticas, incluindo algumas pertencentes à Mata Atlântica. Abriga diversos animais, como lagartos, tatus, esquilos, cobras, tucanos, jacus, papagaios, aranhas, borboletas, louva-deus, dentre outros. E para além da fauna e da flora riquíssimas, compõe o espaço, um Casarão Centenário que foi uma fazenda de café.

 
 
 
O Museu de Antropologia preserva o patrimônio histórico, artístico e cultural, de Jacareí e do Vale do Paraíba
 
Conta a história que o povoamento de Jacareí começou, em 1652, com o nome de Nossa Senhora da Conceição da Parayba, pela iniciativa de Antônio Afonso e seus três filhos. Foi elevada à vila em novembro de 1653 e tornou-se cidade em abril de 1849. Antigo caminho para as “minas gerais”, usando o rio Paraíba, Jacareí passou de humilde pousada colonial de tropeiros, ao longo dos anos, para cidade progressista, a partir de 1790, com o café no Vale do Paraíba. A origem do nome “Jacareí” vem diretamente da língua tupi-guarani, que nomeia a cidade como “rio dos jacarés”. Entre as festas tradicionais, vale destacar a Folia de Reis, a Festa Árabe, o Festival de Blues, o Festival dos Imigrantes e, uma das mais importantes: a Feira Regional do Bolinho Caipira, iguaria composta de farinha branca com linguiça. Há também com novos sabores para o público que quiser um diferencial de ingredientes. Em tempo: já é reconhecido como patrimônio gastronômico de Jacareí.


Como chegar

Para ir até Jacareí, saindo de São Paulo, é preciso acessar a BR-116 (Rodovia Presidente Dutra) até a saída 167.



 
Mais informações: www.jacarei.sp.gov.br