Jundiaí

Localizada pouco mais de 50 km da capital paulista, a cidade de Jundiaí exibe um cenário diversificado da atividade turística e impulsionada pelo título de MIT – Município de Interesse Turístico. Há opções para todos os gostos: adegas, vinhos e vinícolas, artesanato, ecoturismo - serra do Japi, Expresso Turístico, Festa da Uva, museus, parques municipais, patrimônio histórico, rotas turísticas e turismo rural. Com mais de 350 anos de sua fundação, a cidade com 423.006 mil habitantes (IBGE/2020), é considerada, atualmente, a 8ª economia do estado de São Paulo e recebe cerca de 660 mil turistas por ano. É contemplado pelo turismo cultural, rural, ecoturismo, de eventos, de negócios e o gastronômico.

Reconhecida pelas suas festas, o destaque fica com a Festa da Uva, cuja primeira edição aconteceu em 1934 é já é famosa nacionalmente. A cidade foi berço do desenvolvimento espontâneo, por meio de uma mutação genética, da uva Niágara Rosada, a uva de mesa mais consumida no país. O calendário de eventos é ainda complementado por inúmeras outras festas e eventos como a Festa Italiana, integrante do calendário oficial de eventos do Estado de São Paulo, a Festa Portuguesa, a Festa do Vinho Artesanal e tantas outras atividades realizadas em vários bairros da cidade, guardando assim a tradição da vivência em comunidade e um pouco do jeito caipira de viver, típico das pequenas cidades do interior.

Além das festas, Jundiaí ainda destaca-se por seus inúmeros atrativos de natureza cultural, como museus, prédios históricos e igrejas e ainda pelos atrativos naturais, em especial em função de possuir grande parte das terras da Serra do Japi, considerada patrimônio natural brasileiro e declarada pela UNESCO, em 1992, como Reserva da Biosfera, e que guarda em si, além de uma fauna e flora extremamente importante, rica e variada, a segunda maior diversidade de borboletas do planeta. O turista ainda poder passear por suas matas, cachoeiras e trilhas ecológicas, sempre com orientação pelos princípios da educação ambiental.

 
A cultura de Jundiaí passa pelo Museu da Cia. Paulista que retrata a história da ferrovia do Estado de São Paulo
 

Tem mais atração para os visitantes deste destino: trata-se do Museu da Cia. Paulista com um acervo de cinco mil itens, e que retrata a história da ferrovia no Estado de São Paulo e a importância e o protagonismo de Jundiaí como porta de entrada da ferrovia para o todo o interior. Por meio de itens que integravam o mobiliário, ferramentaria, maquetes, imagens, mapas, livros e fotos da extinta Cia. Paulista de Estradas de Ferro, o Museu tem suas origens no final da década de 1970, com a fundação, no local, do Museu Ferroviário Barão de Mauá, em 1979, homenageando Irineu Evangelista de Souza, o Barão de Mauá, pioneiro do transporte ferroviário no País. Uma reforma e revitalização deram ao espaço, em 1995, as bases museológicas e o nome que o museu leva até os dias de hoje. O local conta ainda com ambientes que simulam aqueles de época, como a Sala das Senhoras, réplica da sala de espera reservada às mulheres; o interior dos carros de passageiros; a sala de comunicação e a sala da diretoria. Esta é a preservação da história.

Bom ressaltar que este Município de Interesse Turístico também possui diversos roteiros turísticos e quatro Rotas estruturadas: Rota da Cultura Italiana, Rota do Castanho, Rota da Terra Nova e Rota da Uva. As áreas rurais estão em alta, pois os visitantes chegam em busca desses atrativos como adegas tradicionais, compra de frutas direto do produtor e restaurantes rurais. Cerca de oito mil turistas por final de semana chegam em Jundiaí com foco nos atrativos turísticos e pontos de venda de frutas e a diversos produtos artesanais de produção associada ao turismo, como doces, geleias, licores, vinhos, pães entre outras opções.

Em tempo: esta cidade conta com mais de 300 restaurantes e 90 pizzarias. E quem procura o melhor da cultura italiana, elaborada pelas tradicionais famílias imigrantes daquele país há, por exemplo, o bairro do Caxambu, o bairro do Traviú e Bulevar Beco Fino. Já em campo histórico, há muitos museus, como o Museu do Vinho, que resgata a história da imigração italiana na cidade e o Museu do Café que expõe alguns documentos, fatos e dados sobre este importante ciclo agrícola brasileiro.


 


Reconhecida pelas festas, o destaque fica com a Festa da Uva, cuja 1ª edição foi em 1934 é já é famosa nacionalmente

Vale dizer que o nome Jundiaí tem origem tupi e vem da palavra “jundiá”, que significa “bagre” e “y” significa “rio”. Alguns estudiosos também consideram o termo “yundiaí” como “alagadiços de muita folhagem e galhos secos”. A região de Jundiaí era habitada por povos indígenas até o final do século 17. Eles se dedicavam à produção de milho e mandioca. Parte da cultura indígena foi incorporada pelos brancos colonizadores, entre elas a técnica construtiva e a utilização de queimadas na lavoura. Hoje, mais de 75% da população de Jundiaí é descendente de imigrantes italianos, que constituem uma das maiores colônias em todo o Brasil.

Como chegar

Para ir até Jundiaí, saindo da Capital, há dois caminhos para chegar até Jundiaí: acessar a SP-330 (Rodovia Anhanguera) ou a SP-348 (Rodovia dos Bandeirantes).

 
Mais informações: www.jundiai.sp.gov.br