Mairiporã

Se há algo em comum entre personalidades brasileiras como Ayrton Senna, Elis Regina, o diretor Jayme Monjardim, os cantores Sérgio Reis, Renato Teixeira e Rita Lee é que todas elas moram ou moraram na região tranquila e arborizada de Mairiporã, município localizado a 38 km da capital paulista. Apesar de sua proximidade com São Paulo, a cidade com os seus 101.937 habitantes, pelo IBGE de 2020, é um destino que obteve o selo de município de interesse turístico (MIT) em 2017, graças a uma soma de atrativos que trazem visitantes pelos mais variados motivos. A histórica Mairiporã está na Zona Norte da Região Metropolitana de São Paulo e faz parte do Circuito Turístico Entre Serras e Águas, com mais seis cidades.
 

Em 1992, a região da Serra da Cantareira, a norte de Mairiporã, foi reconhecida como Patrimônio da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Para além dos seus condomínios e sítios, alguns de alto padrão, tanto para moradia como para veraneio, Mairiporã, no sopé da Cantareira, está entre as 100 cidades com melhor Índice de Desenvolvimento Humano do País. Uma das atrações que a cidade oferece, o contemplativo Pico do Olho d’Água (ou Morro do Juqueri), fica a 1170 metros acima do nível do mar, um verdadeiro paraíso perdido com visual incrível perto da Capital, próprio para piqueniques, trilhas, voo livre, caminhadas, camping, filmagens, fotografias e lembranças.
 


 O Parque Linear tem quadras para esportes, pump arena, pista de skate e bicicleta, além do belo Bosque da Amizade

 
O nome Mairiporã foi sugerido pelo jornalista e poeta J. G. de Araújo Jorge e, em tupi-guarani, significa “cidade bonita”, daí o município ser conhecido como “Aldeia Pitoresca”. A presença da Serra da Cantareira garante roteiros para visitantes que procuram recantos tranquilos junto à natureza. Exemplo disso é a represa Paulo de Paiva Castro, que se estende por dez quilômetros até o limite com Franco da Rocha, integrando-se ao sistema Cantareira de abastecimento de água. O local possui muitas paisagens e tem sido muito procurado para a prática de esportes náuticos, bem como as pescas esportiva e amadora. Por sua vez, na estrada que leva ao Pico do Olho d’Água, há um cruzeiro, símbolo de religiosidade popular, onde há uma bela vista da cidade.


Entre os vários equipamentos turísticos que o visitante pode encontrar em Mairiporã são a Pedreira Dib, onde aventureiros se arriscam no rapel; o Parque Linear, construído em 2016, com pista pump track para esportes radicais como skate, bike, patins e patinetes, além de ciclovia, playground, academia ao ar livre, bosque e pista de caminhada; o Caminho do Rio Juqueri, que corta a região e tem corredeiras para boia cross. Famosa por suas trilhas na Serra da Cantareira, Mairporã é uma cidade que possui grande quantidade de pousadas e hotéis (alguns, inclusive, de luxo) para hospedagem, sendo também dedicada ao turismo rural (com chácaras e sítios). Seu centro urbano é repleto de lojas, bares e restaurantes, gerando opções de lazer e compra para quem a visita.



Pico do Olho D’Água é procurado para contemplação, voo livre, piqueniques, ensaios fotográficos e trilhas de downhill

 
Curiosidades:

•     Em Mairiporã, há o famoso hospital psiquiátrico de Juqueri, e o antigo nome da cidade procurou se desvincular da imagem da instituição.
•     A região já era conhecida pelos primeiros desbravadores, na segunda metade do século XVI, onde começou um pequeno núcleo urbano.
•     Em 1913, dez famílias de imigrantes japoneses chegaram ao local, sendo uma das colônias nipônicas mais antigas do Brasil.


Como chegar

Para ir até Mairiporã, saindo de São Paulo, é preciso acessar a BR-381 (Rodovia Fernão Dias) até a saída 65.


Mais informações: www.mairipora.sp.gov.br