Marília

No Centro-Oeste do Estado, encontra-se Marília, a 443 km de São Paulo, uma cidade cujo turismo surpreende. Considerada a “Capital Nacional do Alimento”, esse importante Município de Interesse Turístico (que recebeu a categoria de MIT em 2019) atrai não só pela história de sua economia – foi ali que nasceram grandes empresas brasileiras como o Bradesco, a Marilan e a TAM – como também pelo passado jurássico de seu território: a cidade é um prato cheio para os apreciadores de fósseis de dinossauros. Com os seus 240,6 mil habitantes (pelo censo IBGE de 2020), Marília, na Região Turística Alto Cafezal, localiza-se no ponto mais ocidental da Serra de Agudos.

O passeio começa pelo Museu de Paleontologia de Marília, inaugurado em 2004, cujo acervo científico é muito significativo e atrai visitantes de vários cantos do Brasil. A região onde a cidade se encontra é rica em vestígios dos tempos dos dinossauros (de cerca de 70 milhões de anos) e foram os fósseis descobertos em 1993 pelo paleontólogo William Nava que estimularam a inauguração do equipamento. Outra opção muito interessante de caminhadas para levar as crianças é a Fazenda Floresta, com trilhas, piscinas, bosques para piqueniques e cachoeiras, locais para pesca e demais atrações. Uma alternativa à Fazenda é passear no Bosque Municipal, que tem 20 hectares de Mata Atlântica, o que inclui conhecer espécimes ameaçadas de extinção.
 

No Museu, um jacaré da Era Mesozóica, o mariliasuchus amarali, que viveu na região de Marília há 70 milhões de anos
 
A multifacetada Marília, tida como uma das melhores cidades para se viver no Brasil, é também uma importante cidade universitária, com várias escolas de ensino superior de importância nacional. Para os que curtem agito, a vida noturna é centrada na gastronomia, há bares, shoppings, baladas, parques e eventos como o Japan Fest e o Salão de Arte Contemporânea. O esporte local é muito forte, com academias, estádios, ginásios, bem como o Parque Aquático Municipal (PAM) Tetsuo Okamoto, em homenagem ao o primeiro atleta brasileiro (e de Marília) a trazer para o País uma medalha olímpica de natação, em Helsinque (na Finlândia), em 1952. Aliás, a presença da comunidade nipônica, uma das maiores do Brasil, tem enorme expressividade na cidade.

Marília tem clima subtropical e aroma de doce. Dentre os pratos típicos da cidade, o turista poderá degustar o pastel de ovo e também o parmegiana de pastel, além do sanduíche chamado de “chinelão”, de grandes proporções, e que é encontrado em várias casas do ramo. O evento SP Gastronomia, em sua edição 2019, chamada “Feito em SP”, mostrou que a cidade (bem como sua região) produz culinária muito saborosa, variada e criativa. Da mesma forma, não se pode falar de Marília sem lembrar os vários parques fabris de biscoitos, sendo que há 1.100 empresas do setor alimentício produzindo cerca de 32 mil toneladas de alimentos por mês. Basta dizer que biscoitos produzidos em Marília são consumidos em mais de 50 países em todo o mundo.



Bosque Municipal, um ponto turístico e de lazer com atividades culturais, pesquisas e educação ambiental.

 
Não deixe de ir
• ...ao Museu de Paleontologia, que possui uma exposição permanente de crocodilos e fósseis de dinossauros sendo uma referência nacional em sua área. Entre as atrações do equipamento, estão as réplicas de pequenos crocodilos (mariliasuchus amarali e adamantinasuchus navae) que conviveram com os grandes lagartos jurássicos, sendo elas o primeiro registro desse tipo de fóssil encontrados no País.

• ...ao Bosque Municipal Rangel Pietraróia que tem uma área de 20 hectares de Mata Atlântica e tropical. Nele, encontram-se espécimes vegetais, algumas em extinção, como o pau-brasil, a peroba rosa e o jequitibá. Muitas delas têm mais de 400 anos de idade.

• ...ao Templo Tenrikyo, que representa a forte influência da cultura dos imigrantes japoneses, sendo que há cerca de duas mil famílias de descendentes nipônicos em Marília. No Templo, o visitante pode conhecer a tradição, a beleza e as histórias da cultura oriental.

• ...à Basílica de São Bento, construída em 1929, cuja arquitetura que mescla o barroco e o colonial está bem preservada, em homenagem ao santo padroeiro de Marília. Os visitantes se atraem por sua magnífica beleza, como por outras igrejas da cidade, como a de Santo Antônio.


Curiosidades
• Marília entrou para o livro Guiness dos recordes mundiais. Em abril de 1992, a Senhora Encarnação Olivas e Garcia Pacheco, a Vó Nena, aos 81 anos, foi a pessoa mais idosa do mundo a saltar de paraquedas.

• Em matéria de lanches, os marilienses podem comer o pastel de ovo, comida típica da cidade, que tem formato redondo e o recheio tem carne moída e ovo cru. Tal a fama que as pessoas fazem filas para comprá-lo.

• Durante a Segunda Guerra Mundial, 27 marilienses alistaram-se à Força Expedicionária Brasileira, a FEB, partindo da cidade em julho de 1944 e de retorno a ela em julho de 1945. Todos os pracinhas voltaram.

• A primeira fotografia em 360° na História foi clicada no ano de 1957 em Marília, através de uma câmera inventada pelo fotógrafo ribeirão-pretano Sebastião Leme, radicado na cidade.

• A primeira rodoviária do Brasil foi inaugurada em Marília, em 1938, num prédio com influências Art Déco, projeto de José Ferreira Dias.

• No período pré-colonial, indígenas ocupavam a região da Serra de Agudos (o “Planalto de Marília”). O café e as estradas de ferro, no século XIX, abriram caminho para o cultivo de algodão que imigrantes japoneses fizeram crescer, já no século XX. Após à Segunda Guerra Mundial, Marília se industrializou em várias áreas, principalmente a partir dos anos 1950, com muitas empresas do ramo alimentício e industrial.


Conta a história que o nome da cidade veio das linhas férreas paulistas. Em ordem alfabética, letra “M” era para a próxima estação a inaugurar. O fundador da cidade, Bento de Abreu, que leu o clássico “Marília de Dirceu”, do inconfidente Tomás Antônio Gonzaga, encontrou no livro a inspiração do nome “Marília” para a estação, inaugurada em 30 de dezembro de 1928.  A fundação do Município de Marília deu-se em quatro de abril de 1929, data do aniversário da cidade.


Como chegar


Para chegar até Marília, saindo de São Paulo, é preciso acessar a SP-280 (Rodovia Castello Branco) até a saída 210, a SP-209 (Rodovia a João Hipólito Martins), SP-300 (Rodovia Marechal Rondon) até a saída 347 e a SP-294 (Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros) até a saída 446-A.

 
Mais informações: www.marilia.sp.gov.br