Mogi das Cruzes

Conhecida por suas orquídeas e produção de caqui, o município de Mogi das Cruzes também surpreende pelo repertório turístico que possui. Distante 61 km da capital, está localizado na região leste da Grande São Paulo e no centro do Alto Tietê, com 450.785 habitantes (IBGE/2020) faz parte do Cinturão Verde de São Paulo. Foi classificado como MIT (Município de Interesse turístico) em 2017, pela sua diversidade quando o tema é atividade turística. Com forte colonização japonesa, a cidade possui um dos melhores campos de golfe do Brasil e neste destino dá pra fazer turismo de aventura, praticar esportes radicais, turismo rural e também turismo religioso. Aos finais de semana, muitas pessoas procuram a região para fazer as trilhas da Serra do Mar ou procurar as cachoeiras que ficam no meio do mato.


Exemplo de um bom atrativo é o Pico do Urubu, localizado na serra do Itapety, cujo mirante proporciona uma vista privilegiada de 360º da cidade, está numa altitude de 1.160m acima do nível do mar. Dispõe também de espaços para realização de diversas atividades como mountain bike, trilhas e arborismo. Perfeito para quem gosta de se sentir nas nuvens e sabe que encontra uma estrutura necessária para observar a cidade ou voar de paraglider ou asa delta.
Vale ressaltar que Mogi também tem festas que homenageiam suas tradições, sendo elas a Festa do Divino, a Akimatsuri (Festival do Outono) e o Furusato Matsuri (Festival Agrícola), estas últimas, herdadas da cultura japonesa.

 
 
A Estação Ferroviária de Sabaúna, de 1893, reserva um pouco da história da Estrada de Ferro Central do Brasil (EFCB)
 
Com muita história para contar além do circuito de igrejas milenares que a cidade agrupa (Igreja de São Benedito e Catedral Diocesana Sant'Anna) e a herança que a imigração japonesa deixou, rendeu alguns dos principais pontos turísticos da cidade, como o Parque Centenário, onde se encontra o Museu da Imigração Japonesa (detentor de um acervo de objetos doados pelos imigrantes que ali viveram e contribuíram para a identidade cultural da cidade). O Casarão do Chá, local para os turistas que apreciam arquitetura e história, atualmente é palco de diversos eventos importantes na cidade, assim como o Theatro Vasques, que presta o mesmo serviço ao povo mogiano.


Em destaque: o Monumento ao Bandeirante é um dos marcos da cidade e retrata o bandeirante Gaspar Vaz, que fundou Mogi das Cruzes em 1º de setembro de 1560. Criada pelo artista plástico Belini Romano, a escultura em aço inoxidável, que tem 13 metros altura, cinco de largura e pesa três toneladas, foi doada pela empresa Aços Villares em comemoração à duplicação da Rodovia Mogi-Dutra e aos 40 anos da empresa. Mais atrativo: a Estação Ferroviária de Sabaúna, inaugurada em 1º de janeiro de 1893, reserva um pouco da história da Estrada de Ferro Central do Brasil (EFCB), como as Casa da Turma e a bela casa do antigo chefe da Estação. Em 2014 foi inaugurado o Museu Ferroviário, que é composto por material ferroviário de todos os tipos. Um dos diferenciais deste museu é que nele é possível tocar nos objetos, fotografá-los e até vesti-los, como os caps ferroviários. O museu fica integrado ao Posto de Informações Turísticas de Sabaúna e está dentro da estação ferroviária. A entrada e visitação são inteiramente gratuitas.

 
 
Monumento ao Bandeirante, um dos marcos da cidade, retrata o bandeirante Gaspar Vaz, que fundou Mogi das Cruzes em 1560
 
Conta história que "Mogi" é um nome de origem tupi antiga: significa "rio das cobras", através da junção de moîa, mboîa, "cobra" e 'y, "rio", referindo-se ao Tietê, o qual, em seu alto curso, cruza o município. Ao longo dos anos, a grafia M'Boijy, que significa rio da cobra, foi alterada para Boigy, depois para Mogy, Moji e finalmente para Mogi. Gaspar Vaz Guedes foi um bandeirante paulista, fundador do povoado que viria a ser a cidade de Mogi das Cruzes. Vaz abriu o primeiro caminho que ligaria o povoado a São Paulo de Piratininga em 1560. Foi elevada à Vila em agosto de 1611, com a denominação de Sant'Anna das Cruzes de Mogi. Foi instalada em 1º de setembro de 1611, sendo a solenidade presidida pelo capitão da Capitania, Gaspar Coqueiro, representante oficial do governador. Em 1º de setembro de 1671 foi criado o município, através de um alvará. Em março de 1855, elevou-se à cidade, sendo posteriormente elevada à comarca em 10 de abril de 1874. Hoje a cidade é formada pela sede e pelos distritos de Biritiba Ussu, Brás Cubas, César de Sousa, Jundiapeba, Quatinga, Sabaúna, Taboão e Taiaçupeba.


Como chegar

Para chegar até Mogi das Cruzes, saindo de São Paulo, é preciso acessar a SP-070 (Rodovia Ayrton Senna) até a saída 44 e a SP-088 (Rodovia Pedro Eroles).



 
Mais informações: www.mogidascruzes.sp.gov.br