Piraju

Piraju vem se destacando como destino turístico e seu principal aliado nesta atividade é o rio Paranapanema que conta com 929 km de extensão, dos quais 90,6 km atravessa esta cidade que é uma Estância Turística desde julho de 2002. Bom destacar que o município oferece gastronomia diversificada e serviços de hospedagem, importantes itens que favorecem a vinda de turistas para a realização de roteiros locais que incluem Ecoturismo, Turismo de Aventura, Pesca, entre outros atrativos deste município que, de acordo com o IBGE/2020, tem uma população estimada de 29.869 pessoas. Conclusão, o cenário é benéfico para os visitantes interessados em sair da rotina de seus locais de origem e contemplar e fazer parte de rios, cachoeiras, parques e florestas de Piraju para momentos de alegria, lazer e sossego.


Localizado no Sudoeste do estado de São Paulo na região do Vale do Paranapanema, próximo à divisa com o Estado do Paraná, Piraju fica 339 km da Capital, e integra o Circuito Angra Doce formatado no ano de 2019.  São 15 municípios – 10 paulistas e cinco paranaenses - que compõem a região para fomentar o turismo e trazer empreendedores, promover esportes náuticos, peças, aquicultura, lazer, pousadas, infraestrutura, perto de Curitiba e perto de São Paulo. Vale lembrar que esta região da represa de Chavantes recebeu este nome devido à formação de várias baías e ilhas em torno do lago, que lembram a região de Angra dos Reis, no litoral fluminense. A região tem 400 km2 de extensão e o lago tem mais de nove bilhões de m3 de água, formado pelos rios Paranapanema e Itararé.

 


De 1932, a ponte Nelson Godoy é destaque da cidade, onde o visitante tem uma vista especial do Rio Paranapanema
 


Pode-se afirmar, com certeza, que o rio Paranapanema é a estrela da atividade turística desta estância. De águas limpas, banha a região Sudeste do Estado de São Paulo e é rico em peixes, ainda que sua fauna tenha sido comprometida pelas barragens de hidrelétricas construídas em vários pontos de seu leito. Nasce na serra de Paranapiacaba (região Sul do Estado) e segue na direção oeste, até desembocar no rio Paraná, em Porto São José, na divisa de São Paulo, Paraná e Mato-Grosso do Sul. É navegável em mais de 80 km. Além das 10 usinas hidrelétricas, o rio abriga em seu leito sítios arqueológicos indígenas com até oito mil anos, ruínas de missões Jesuíticas do século XVIII, além de áreas de preservação ambiental e relíquias da arquitetura histórica. É considerado o único rio de grande porte não poluído do Estado de São Paulo. Em Piraju, existe o maior trecho natural do rio Paranapanema, cerca de oito km, tombado em 2002 e localizado entre a foz do ribeirão Hungria e a do ribeirão das Araras.


Em consequência deste rio, dois bons atrativos são destaques: a Prainha e o Parque Municipal Natural das Corredeiras. Localizada às margens do Rio Paranapanema, a 16 km de Piraju, a Prainha é muito frequentada no verão chegando a ter mais de cinco mil visitantes aos finais de semana e feriados que aproveitam as atividades, como passeios de caiaque, stand-up paddle (remo em pé) e até jet ski na área mais afastada da orla. Fica na Rodovia Osni Matheus, km9, tem entrada gratuita e área para camping sem custo. Já o Parque das Corredeiras, situado às margens dos últimos oito km do trecho natural do Paranapanema, é procurado para acampamento e passeios. Possui quiosques com churrasqueiras, parque infantil, pesca amadora, e observação de aves. Vale ressaltar que Piraju ocupa o 59º lugar entre os municípios brasileiros, o 11º lugar entre os paulistas e o 1º no interior paulista no ranking do WikiAves, num site interativo, direcionado aos amantes desse hobby, com 360 espécies de aves catalogadas, sendo muitas dessas espécies encontradas  neste Parque.


 


Às margens do Rio Paranapanema, a Prainha chega a receber mais de cinco mil visitantes aos finais de semana e feriados
 

Se o tema é turismo, Piraju é um grande leque, começando pela Antiga Estação da Fepasa. Trata-se de um conjunto de edificações, dentro de uma área de mais de 30 mil metros, localizado no Distrito da Vila Tibiriçá do Paranapanema, de propriedade da municipalidade e tombado pelo Patrimônio Histórico, Artístico, Paisagístico e Cultural de Piraju. O local abrigou a Estação do ramal ferroviário, inaugurada em 1908 e desativada em 1966. O prédio principal foi projetado pelo arquiteto Ramos de Azevedo, a maior expressão do setor na época. Já o Turismo Religioso fica com a Igreja Matriz da Paróquia São Sebastião localizada na Praça Ataliba Leonel. Construída de 1933 a 1954, apresenta-se em estilo gótico e mantém exposta no altar a bela e mística imagem de São Sebastião. Esta estatueta barroca, de origem italiana, esculpida em madeira, datada entre 1600/1700, foi encontrada na região pelos fundadores de Piraju e teria sido trazida ao Brasil por missionários que catequizaram índios na região.

Conta a história que perto das margens do Paranapanema, viviam pequenas tribos cayowás e assim começa a história da cidade: Tijuco Preto, a primeira designação do município, possivelmente foi dada pelos indígenas. A partir de 1800, o local vai gradativamente se tornando ponto de ligação entre São Paulo e Paraná. A terra fértil e a abundância de água estimularam colonos a se estabelecer no local. Assim, em 1871, foi instituída a freguesia São Sebastião do Tijuco Preto, pertencendo ao município de São João Batista do Rio Verde (hoje Itaporanga). Elevada à categoria de vila, tornou-se município em abril de 1880, mas somente em 1891 recebeu sua denominação definitiva: Piraju, que em tupi-guarani (pira-yu) significa peixe amarelo.


Como chegar

Para ir até Piraju, saindo de São Paulo, é preciso acessar a Rodovia Presidente Castelo Branco (SP-280) até o km 241, dirigindo-se para a Rodovia João Melão (SP-255) até chegar à Rodovia Raposo Tavares (SP-270).

 
Mais informações: www.piraju.sp.gov.br