Pirapora do Bom Jesus

Uma cidade cortada por um rio sinuoso, o Tietê. O caminho dos bandeirantes, dos romeiros e fiéis, Pirapora do Bom Jesus, a “Cidade da Fé Viva”, tem 19.178 habitantes, segundo o IBGE/2020, e pertence à Região Metropolitana de São Paulo, a 58 km da Capital e recebe anualmente 600 mil visitantes graças ao seu Santuário Cristocêntrico, o primeiro do Brasil. Em termos de Turismo Religioso, a cidade só perde em termos de número de romeiros para Aparecida, no Vale do Paraíba. Pirapora do Bom Jesus está, assim, inserida nos calendários estadual e nacional das datas religiosas e está encravada em um vale, entre grandes elevações da Serra do Ivoturuna.

Vale dizer que esta serra, que cerca a cidade, é tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico. Seu nome é de origem tupi e significa "Montanha Negra", através da junção dos termos ybytyra (montanha) e un (negro). O nome é uma referência à cobertura de vegetação de tonalidade escura, que, em determinadas épocas do ano, chega a escurecer a paisagem do entorno da cidade. Possui nascentes de água e cachoeiras, inclusive vertentes que abastecem o município.
 

 

O Portal dos Romeiros é considerado hoje um dos maiores monumentos da fé de SP com destacadas esculturas de bronze
 
Pirapora, em tupi-guarani, significa “pulo do peixe” (pira = peixe e pora = pulo), graças à presença do Tietê, que ser
penteia pelo município. O nome é uma referência ao fato de, no período da desova dos peixes, eles saltarem sobre a água para vencer as corredeiras do rio e, desse modo, poder alcançar a cabeceira dos rios, que são locais mais propícios à desova. O rio foi rota de passagem, de comunicação, subsistência, irrigação e até mesmo de energia, desde que barragens começaram a ser construídas na região. O visitante, ao seguir pela Estrada dos Romeiros em direção à cidade, verá paisagens bastante fotogênicas, repletas de árvores e morros. A estrada de acesso, embora bem sinalizada, tem muitas curvas, mas ainda há poucos pontos de parada. A presença do Tietê é uma constante para quem chega ao local.


Pitoresca e pequenina, a “Cidade da Fé Viva”, como é conhecida, e também considerada o berço do samba paulista (e suas variações, o samba de roda, o samba de lenço, o samba de bumbo e o samba rural). Pirapora tem como um de seus atrativos de turismo religioso o Santuário do Bom Jesus, a igreja construída pela necessidade de um local para celebração de missas. Com arquitetura jesuítica, ornamentada por estátuas de São Pedro e São Paulo, o ponto é o mais visitado da cidade e no seu entorno há lojinhas, lanchonetes e restaurantes, além das vendas de doces caseiros e artigos religiosos. Há também o Portal dos Romeiros que é uma homenagem aos romeiros e representa o renascimento da cidade. O portal possui uma passagem de 30 metros de comprimento com quatro metros de largura, além das esculturas de bronze que representam a aliança de Deus com os povos da terra, por meio de seu filho Jesus.

 


O Santuário do Bom Jesus, ornamentado por estátuas de São Pedro e São Paulo, é o ponto mais visitado da cidade

 
Conta a historia que a ocupação dessa região se deu a partir de 1725, quando foi descoberta, em uma corredeira, a imagem do Senhor Bom Jesus, santo padroeiro da cidade. Erguida uma igreja em 1845 (concluída em 1887), há em seu altar-mor a escultura de madeira do Cristo em tamanho natural, protegida por uma redoma de vidro. Pirapora do Bom Jesus tornou-se município em 1959, quando se emancipou de Santana de Parnaíba.

Como chegar

Para ir até Pirapora de Bom Jesus, saindo de São Paulo, é preciso acessar a SP-280 (Rodovia Castello Branco) até a saída 48 e depois a Via Ubaldo Lolli.


Mais informações: www.piraporadobomjesus.sp.gov.br/