Registro

Com 56.393 habitantes, segundo estimativa do IBGE/2020, Registro é a maior cidade do Vale do Ribeira e tornou-se oficialmente o Marco da Colonização Japonesa no Estado de São Paulo, por ter sido a primeira localidade a receber imigrantes japoneses interessados em investir em produção própria no Estado. O Conjunto Iguape (colônias de Registro, Sete Barras e Katsura ou Giporuva) foi cronologicamente a primeira grande colônia formada por japoneses no Brasil, e também a primeira entre as colônias fundadas por capital privado.

Importante destacar que este destino, distante 186 km da Capital, abriga relevantes bens culturais da imigração japonesa que são preservados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). São eles: sede da Kaigai Kogyo Kabushiki Kaisha, antigas fábricas de chá e residências de primeiros colonos japoneses, as Igrejas Episcopal Anglicana e de São Francisco Xavier, além das primeiras mudas de chá do tipo Assam.

Registro tornou-se MIT - Município de Interesse Turístico em outubro de 2017 e este título reforçou o aumento do fluxo de turistas, gerando receita maior para a cidade e, por consequência, muitas oportunidades de emprego para os residentes. Este cenário, que envolve belos locais e arquitetura distinta, é perfeito para tirar fotos e registrar momentos nos mais variados pontos turísticos da cidade. Por conta da diversidade cultural e econômica, e por possuir o maior índice de população do Vale, Registro é conhecido como a “Capital do Vale do Ribeira”, e também “Capital do Chá” em alusão a um dos seus principais produtos exportados.

 


O Conjunto Arquitetônico KKKK - Kaigai Kogyo Kabushiki Kaisha, é conhecido também como antigo Casarão do Porto

É fato que Registro tem uma abundância de atrativos turísticos, como o famoso Conjunto Arquitetônico KKKK, conhecido também como antigo Casarão do Porto. Trata-se de um conjunto - composto por quatro armazéns e um engenho - que era destinado ao beneficiamento de arroz, e que começou a ser construído em 1920. "KKKK" (Kaigai Kogyo Kabushiki Kaisha) significa em japonês: Companhia Ultramarina de Suplementos S/A e pela sua importância histórica e arquitetônica, o Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo (CONDEPHAAT) tombou o prédio em 1987 e pelo Instituto do Patrimônio Histórico Artístico Nacional (IPHAN) em Junho de 2010. Tem mais: localizada no centro da cidade e construída com arquitetura japonesa, a Praça Nakatsugawa remete à cidade irmã Nakatsugawa, no Japão. A sua construção foi no ano de 1980, quando foi celebrado o convênio entre as duas cidades.

Bom ressaltar que em vários pontos desta cidade estão instaladas esculturas do artista plástico de renome internacional Yutaka Toyota, confeccionadas com material das antigas fábricas de chá e dos armazéns e do engenho de beneficiamento de arroz. Toyota é pintor, gravurista, designer, escultor, com mais de 50 anos de carreira, possui trabalhos em inúmeros países, suas obras participam das mais importantes coleções e museus por todo mundo. A Praça dos Expedicionários, bem no centro da cidade, recebeu o nome em homenagem aos ex-combatentes (incluindo os filhos de japoneses que aqui residiam) da Força Expedicionária Brasileira-FEB que lutaram na 2.ª Guerra Mundial. O local possui um busto em homenagem a Ikutaro Aoyagui ("pai" da colonização japonesa), além de ser um espaço para realização de eventos e feiras. Em 2008 recebeu uma escultura denominada "Caminhos da Liberdade", do artista plástico Yutaka Toyota.


É sabido que o chá é a segunda bebida mais consumida no mundo, e em Registro fica a Fábrica de Chá Amaya, uma das mais antigas empresas familiares deste segmento no Brasil. Com mais de 80 anos de história cultivando e produzindo o chá, hoje já está aos cuidados da terceira geração, atendendo ao mercado de chás especiais fabricados no Brasil. E dentre os principais eventos durante o ano, de Registro, destacam-se: Feira da Bananicultura – Feibanana (março); Roda de Violeiros “Fermínio Gonçalves de Freitas” (maio); Festa Do Sushi (junho); Festa da Solidariedade realizada pelo Fundo Social de Solidariedade (julho); Bon Odori, em homenagem aos antepassados (agosto) e Tooro Nagashi (2 de novembro, dia de finados) que é uma homenagem aos mortos que foram vítimas do Rio Ribeira de Iguape.


Já em relação ao Turismo Religioso, em 31 de agosto de 1926 foi lançada a pedra fundamental da Igreja Matriz São Francisco. Há no centro da fachada simétrica, duas pilastras retas que emolduram a imagem de São Francisco Xavier. O santo, cofundador da Companhia de Jesus, foi um dos mais importantes missionários católicos, cujo epíteto é "Apóstolo do Oriente", por ter pregado no oriente e morrido na China. A construção da Igreja foi uma obra dos colonizadores japoneses inaugurada em 11 de maio de 1933. Por sua vez, os colonizadores japoneses trouxeram para Registro a religião Budista. Exemplo disso é o Templo Budista Honpa Hongwanji (Templo do Juramento Universal de Amida, o Buda da Terra Pura do Oeste) que encanta não só por ser um lugar de extrema paz e reflexão, como também por sua arquitetura em estilo japonês. Está localizado a dois km do centro da cidade.

 


Sino do Templo Budista, cuja religião chegou em Registro pelos colonizadores japoneses

 
Conta a história que o município que é oriundo de um pequeno povoado situado às margens do Rio Ribeira de Iguape, recebeu o nome de Registro por sua responsabilidade em registrar todo ouro explorado na região. Em 30 de novembro de 1944, Registro emancipou-se de Iguape, tornando-se município, cuja instalação deu-se em 1º de janeiro de 1945.


Como chegar

Para chegar até Registro, saindo da Capital, é preciso acessar a BR-116 (Rodovia Régis Bittencourt) até a saída 443.


 
Para mais informações: http://www.registro.sp.gov.br