Santa Rita do Passa Quatro

Santa Rita do Passa Quatro é um município que faz parte da Região Metropolitana de Ribeirão Preto e é formado pela sede e pelo distrito de Santa Cruz da Estrela. Distante 250 km da Capital, o acesso principal situa-se no km 241 da Rodovia Anhanguera, onde começa a Rodovia Zequinha de Abreu, na Serra de Santa Rita, com uma vista privilegiada para a Chapada Guarani e Vale do Mogi, além de um cenário atraente com grande número de árvores como jequitibás, ipês, jatobás, primaveras, paineiras e a famosa neve-na-montanha, dentre outras.

Estância Turística desde julho de 1950, tem uma população estimada, pelo IBGE/2020, de 27.600 pessoas. E os santarritenses têm inúmeros motivos para ter orgulho da cidade que dispõe de um turismo ecológico passando por morros, cachoeiras e rios; riqueza histórica do turismo rural com diversidade gastronômica; um turismo cultural destacado e um grande potencial para o turismo náutico.

 


O acervo do Museu Zequinha de Abreu dispõe de discos, partituras das suas músicas, móveis, instrumentos musicais etc


No entanto, rouba a cena o “filho” mais famoso de Santa Rita, Zequinha de Abreu (José Gomes de Abreu), que nasceu em setembro de 1880 e faleceu em São Paulo, em janeiro de 1935. Foi músico, compositor e instrumentista  que  tocava flauta, clarinete e requinta (instrumento de sopro com som mais agudo), além de organizador e regente de orquestras e bandas no interior paulista. Com uma surpreendente vocação musical, sua obra, das mais importantes do cenário nacional, compõe-se de mais de 300 trabalhos destacando-se: Branca, Tardes de Lindóia (valsas); Sururu na Cidade, Tico-Tico no Fubá (choros), entre outras composições.

Por isso, acontece na cidade o Festival Zequinha de Abreu todos os meses de setembro, mês de nascimento do músico, sempre com inúmeras atrações, tendo seu ponto culminante no desfile de encerramento e no Concurso de Bandas e Fanfarras. Há até o importante Museu Zequinha de Abreu localizado na Praça Poeta Mário Mattoso, funcionando na antiga estação ferroviária santa-ritense. Objetos do compositor ou de sua época como discos, partituras das suas músicas, móveis, instrumentos musicais etc., compõem o seu acervo. Vale contar que em 1920, o músico mudou-se para São Paulo onde atuou como pianista profissional contratado pela Casa Beethoven e suas obras foram editadas pela Irmãos Vitale.


 


O Clube de Campo (Parque Turístico Municipal) tem piscina pública, área de camping e espaço para lazer dos visitantes


Muito além da cultura, a estância oferece uma diversidade turística com inúmeras atrações, entre elas, a Cachoeira de São Valentim e a Cachoeira Três Quedas; o Jequitibá Rosa localizado no Parque Estadual de Vassununga (km 243 da Via Anhanguera), reserva florestal onde se encontra uma das maiores quantidades de Jequitibás Rosa do mundo, com idade aproximada de mais de três mil anos e o Deserto do Alemão formado por grandes erosões e por dunas, usadas na prática de off-road por jipeiros e motoqueiros. E Santa Rita continua liderando o ranking de voo livre de distância no Estado de São Paulo.  Outra boa notícia foi a recente entrega da obra de revitalização do Cristo Redentor (Morro do Itatiaia) que recebeu um novo mirante com acessibilidade, restaurante panorâmico, estacionamento, parque infantil, reforma da lanchonete, além de um centro de informação ao turista.

É preciso destacar que o Turismo Religioso passa pelo Santuário de Santa Rita de Cássia construído na segunda década do século 20, auge da produção cafeeira da região e sob a força e a fé da população daquela época, especialmente dos imigrantes italianos. Localizada na principal praça da cidade, no alto de uma colina, de braços abertos para receber os visitantes, o Santuário abriga em seu interior um vasto acervo artístico, com mais de 40 vitrais ricamente coloridos. Os afrescos que decoram seu interior são obras do pintor ítalo-brasileiro Nicolau José Biagini e foram restaurados recentemente, junto à reforma da igreja. Imagens e entalhes em sua porta de madeira completam o acervo artístico do templo.


Curiosidades

• Conta a história que uma pequena região próxima ao rio Mogi Guaçu e entre seus afluentes rio Claro e rio Bebedouro começou a ser habitada ainda no ano de 1820.
• Em 1860, Ignácio Ribeiro do Vale e seu filho Deocleciano Ribeiro, fundaram Santa Rita, em terras pertencentes, na época, ao Município de São Simão.
• O povoado recebeu o nome de Santa Rita, em homenagem a Rita Ribeiro Vilela, devota de Santa Rita de Cássia e doadora do terreno onde foi erguida uma capelinha em homenagem à Santa. A terminação “do Passa Quatro” foi acrescida, devido ao córrego que recebia este nome, pois suas águas cortavam a mesma estrada em quatro lugares diferentes.

Como chegar

Para ir até Santa Rita do Passa Quatro, saindo da Capital, é preciso acessar a SP-348 (Rodovia dos Bandeirantes), depois a SP-330 (Rodovia Anhanguera) até a saída 240-A e, por último, a SP-241/330 (Rodovia Zequinha de Abreu).

 
Mais informações: www.santaritadopassaquatro.sp.gov.br