Santo Antônio da Alegria

Localizada na Região Metropolitana de Ribeirão Preto, na divisa com Minas Gerais, encontra-se a cidade de Santo Antônio da Alegria, um lugar para quem gosta de aventura, natureza e muita alegria. Município de Interesse Turístico - MIT desde 2017, com 6.977 habitantes, segundo estimativa do IBGE/2020, é um destino contemplado por belezas naturais que são os principais pontos turísticos da cidade e está distante 345 km da Capital.

A Cachoeira do Baú, com três quedas d'água, é considerada a mais bela do local. Lá se encontram as antigas ruínas da primeira Usina de Energia Elétrica da cidade. Há também a Ilha do Ar, ou Serra da Lajinha, conhecida pela sua beleza natural formada por três morros, é ideal para quem quer praticar voo livre, como parapente, paraglider e asa delta. A Ilha do Ar proporciona condição de voo em todo seu quadrante, permitindo viagens mesmo com o vento em direções diferentes. Turistas de todo o Brasil e também do exterior participam de campeonatos realizados no local.

Outros pontos turísticos para se conhecer na cidade são o Córrego Fundo, a Cachoeira do Deosdédi, Morro da Santa Cruz e o Parque Ecológico José Jorge Felício, que ocupa uma área de 22.134 hectares e abriga diversas festas municipais, como o tradicional carnaval, além de ser palco de exposições e eventos culturais. Depois de se aventurar pelas belezas naturais, o turista pode se aventurar gastronomicamente pelas fábricas de doces, bolachas e queijos, localizadas em boa parte na Rua da Gastronomia.


 


O Parque Ecológico, com uma área de 22.134 hectares, abriga diversas festas além de exposições e eventos culturais

 
Uma coisa é certa: Santo Antônio da Alegria proporciona tradição e cultura. Em janeiro, acontece a tradicional festa religiosa dos Santos Reis - dia seis comemora-se a visita dos três Reis Magos após o nascimento do menino Jesus - em diversos bairros rurais, com auxílio dos festeiros que servem almoço e doces típicos. As Companhias de Reis também se reúnem em três dias de festa, na Praça do Rosário e recebem visitantes de todos os lugares do país que prestigiam e se confraternizam.

Outro evento tradicional é a Festa de Congo (Congada), uma combinação de danças, músicas e manifestações folclóricas, que reúnem elementos de Congo e Angola e vieram com os escravos ao Brasil no Período Colonial. No passado, as entidades dos cultos africanos eram identificadas com os santos do catolicismo e desta forma a igreja, os senhores do engenho e autoridades aceitavam a manifestação cultural. Composta por danças, cantos e músicas, ela é encerrada, na maioria das vezes, na Igreja de Nossa Senhora do Rosário (protetora dos escravos), onde acontece a coroação do Rei do Congo e da Rainha Ginga de Angola.

 


Serra da Lajinha, formada por três morros, é ideal para a prática de voo livre, como parapente, paraglider e asa delta
 

Conta a história que tudo começou em uma fazenda em Batatais, Cuscuzeiro, nas margens do Ribeirão Pinheirinho. Em 1860, foi construída a Capela "Cuscuzeiro", dedicada ao Santo Antônio de Pádua, tornando-se o marco inicial do futuro município.  O nome de Santo Antônio é uma homenagem ao padroeiro da cidade e o nome Alegria é por causa das inúmeras festas que aconteciam na fazenda. Muitos tropeiros viajavam de um estado para outro e paravam no local para descansar.


Como chegar

Para ir até Santa Antônio da Alegria, saindo de São Paulo, é preciso acessar a SP-348 (Rodovia dos Bandeirantes) até a saída 47, a SP-330 (Rodovia Anhanguera) até a saída 86, a SP-083 (Rodovia José Roberto Magalhães Teixeira), a SP-065 (Rodovia Dom Pedro I) até a saída 133, a SP-340 (diversas denominações) até saída 268, a SP-338 (diversas denominações), a SP-351 (Rodovia Altino Arantes) ate a saída do km 3 e a SPA-003/351 (Rodovia Fioravante Belutti).

 
Mais informações: www.santoantoniodaalegria.sp.gov.br