Ituverava

Distante 413 km da Capital, encontra-se um dos Municípios de Interesse Turístico – MIT, desde 2018, da região turística Lagos do Rio Grande: Ituverava que faz parte da Região Metropolitana de Franca. A estimativa de habitantes é de 42.045 , segundo o IBGE/2020, e seu foco turístico é voltado para o religioso e o ecoturismo, sendo seu nome dado por causa de uma cachoeira.

O Parque Recreio Municipal “Balduíno Nunes de Silva” é um dos principais pontos turísticos da cidade quando o assunto é ecoturismo. Com sua área de 96.600 m², o parque é ideal para quem está em busca de lazer em volta das belezas naturais, a atração principal é a Cachoeira Salto Belo, sendo também o motivo do nome do município, já que Ituverava significa Salto de Águas Brilhantes/Salto Belo na língua tupi-guarani. O parque proporciona um espaço tranquilo para piqueniques, caminhadas e uma bela vista do rio na ponte pênsil.

O turista que for em Ituverava também poderá conhecer a Praça 10 de Março, considerada uma das praças mais belas do Brasil. Está bem localizada no centro da cidade, com muita elegância, com luminárias no estilo colonial, chafariz luminoso com o busto do Gustavo Borges, em homenagem ao nadador que viveu boa parte da sua vida na cidade, e uma arquibancada para shows e eventos, dedicada ao cantor e compositor de renome nacional e internacional que ganhou o título de ituveravense, Ivan Lins, e ao compositor ituveravense e parceiro de Ivan Lins, Vitor Martins. Os dois fizeram a música Minha Ituverava, considerada hino da cidade. Na praça também tem uma réplica da Cachoeira Salto Belo e muitas atrações para quem visitá-la.

 
 


A Cachoeira Salto Belo fica no Parque Recreio Municipal “Balduíno Nunes de Silva” como grande atrativo turístico
 
Tem mais: localizado em um bairro nobre de Ituverava, com 300.000 m², a Represa da cidade é outro lugar ideal para um bom lazer com grandes belezas naturais. Aos finais de semana, a represa está disponível para passeios náuticos de lanchas, jet-skis e caiaques, pesca, nadar, caminhadas ou passeios de bicicleta.

Mas se o interesse do visitante for um turismo mais voltado para o religioso e cultural, deve visitar a Igreja Matriz de Nossa Senhora do Carmo, inaugurada no dia 26 de junho de 1929, com um estilo eclético Românico-Basilical com a junção de características da arquitetura Romana nos arcos das colunas e janelas e o estilo Basílica na nave retangular. A sua torre, com campanário e relógio, é uma réplica da “Independence Hall”, localizada na Filadélfia (EUA) e foi palco da declaração da Independência dos Estados Unidos, em 1776. A imagem de Nossa Senhora do Carmo veio diretamente de Nápoles (Itália) a pedido do Cônego Vitto Fabiane, por volta de 1916.

A Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos também faz parte da história do município e foi construída pelos escravos por volta de 1820 a 1840 e restaurada em 1986. A igreja ainda possui várias características da época e artes da via sacra nas paredes. A imagem de Nossa Senhora do Rosário, esculpida em cedro policromado, foi levada para a cidade pelos tropeiros fundadores da cidade antes da construção da própria igreja, suas características lembram a obra “Madonas de Cedro” do escultor Aleijadinho.


 
 

A imagem da Santa da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Carmo, veio de Nápoles, Itália, por volta de 1916
 
Outras atrações religiosas do município são os painéis gigantes do “Cristo no monte das Oliveiras”, “A mão do Batismo” e “Mãe Rainha Peregrina de Schoenstatt”, feitas pelo artista Lúcio Adalberto Lima Machado, e no alto da estação, próximo à linha férrea da Alta Mogiana, há o monumento do Cristo Redentor, voltado para a cidade.

Bom ressaltar que o Museu Histórico “Capitão Joaquim Ribeiro da Rocha” é um dos únicos lugares de Ituverava que preserva a história da cidade, com características da época, junto com o chafariz e a Igreja de Nossa Senhora do Rosário e seu tombamento aconteceu em 1977. O museu abriga obras permanentes com objetos que contam a evolução da cidade e em um prédio anexado ao museu há exposições itinerantes e temporárias.

A história de Ituverava tem início no ano de 1810, quando Fabiano Alves Freitas começou a derrubada das matas próximas ao Rio do Carmo para pastagens e cultivo da terra. Cinco anos depois, ele ergueu uma capela em devoção a Nossa Senhora do Carmo, que começou a atrair sertanistas em suas festividades religiosas e acabaram ficando pela região. Em 1847, elevou-se à categoria de Distrito, com o nome de Nossa Senhora do Carmo da Franca do Imperador, no Município de Franca, e em 1885 elevou-se a Município, com o nome Carmo da Franca, até que em 1899, em homenagem a cachoeira da cidade, mudou seu nome para Ituverava.


Como chegar

Para ir até Ituverava, saindo de São Paulo, é preciso acessar a SP-348 (Rodovia dos Bandeirantes) e a SP-330 (Rodovia Anhanguera) até a saída 410.



 
Mais informações: www.ituverava.sp.gov.br