São Luiz do Paraitinga

“Minha cidade é um mar de morros...” diz a frase numa placa localizada no Mirante da Torre, escrita por um dos maiores geógrafos brasileiros, Aziz Ab’Saber, falecido em 2012, sobre sua terra natal, São Luiz do Paraitinga. A belíssima estância turística de 10.690 mil habitantes (pelo IBGE de 2020) está localizada a 174,1 km da capital paulista, situada quase a meio caminho entre Taubaté (no Vale do Paraíba) e Ubatuba (no Litoral Norte de São Paulo), pela rodovia Oswaldo Cruz, a SP-125. Trata-se de um importante destino que já se tornou sinônimo de dois grandes eventos – o Carnaval de Marchinhas e a Festa do Divino, este último, nas duas semanas finais de maio. Para o turista que chega à cidade, há muito o que fazer neste belo mar de morros.

Repleta de pousadas e chalés para hospedagem, além de um conjunto de bares e restaurantes para degustar as iguarias locais, a encantadora São Luiz do Paraitinga também possui cachoeiras, trilhas para percorrer e um casario histórico de tirar o fôlego. Grande parte da beleza e da atração turística da cidade vem exatamente de seu Centro Histórico (numa área superior a 6,5 milhões de metros quadrados), declarado em dezembro de 2010 como Patrimônio Cultural Nacional, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Nele, o turista encontra 450 edificações que remontam ao século XVIII, tal como a Igreja Matriz São Luís de Tolosa.
 


Carnaval das Marchinhas atrai para São Luiz do Paraitinga cerca de 150 mil foliões nos cinco dias de festa

Para os visitantes que praticam turismo de aventura e turismo ecológico, São Luiz do Paraitinga proporciona várias trilhas, como a da Pirapitinga, do Corcovado, do Poço do Pito, do Ipiranga e do Rio Grande, bem como rapel e os raftings no Núcleo Santa Virgínia (com duração de seis horas) e o Brazadão (que demora quatro horas), ambos realizados no Rio Paraibuna. E além deste rio, outros dois cortam a região de São Luiz do Paraitinga – o Rio do Chapéu e o Paraitinga, este último que, no verão de 2010, provocou uma enorme enchente, ao longo das chuvas pesadas, o que acarretou por derrubar oito construções da cidade, incluindo a histórica Igreja Matriz São Luís de Tolosa (de 1774), que foi reconstruída e aberta ao público em 2014.

Nos dez dias de Festa do Divino Espírito Santo, que começa na penúltima sexta-feira de maio, mais de 40 mil turistas chegam a São Luiz Paraitinga todos os anos, aproveitando desde a gastronomia típica (há a preparação do Afogado, um ensopado de carne bovina com batata, que é a estrela da comemoração), os bonecos gigantes João Paulino e Maria Angu, a milenar Dança das Fitas (de origem europeia) e a procissão do Divino. Já o Carnaval das Marchinhas chega a trazer a São Luiz do Paraitinga cerca de 150 mil foliões nos cinco dias de festa. Conhecido no Brasil e fora dele, o Carnaval luizense tem sido destaque na imprensa e em todos os dias tem apresentação dos blocos, como os conhecidos Juca Teles, Maricota e Bloco do Barbosa.

 


A história da cidade passa por 450 imóveis, entre casas térreas e sobrados, tombados pelo CONDEPHAAT e IPHAN


Curiosidades

•          São Luiz do Paraitinga deve seu nome ao rio que passa pelo centro da cidade, o Paraitinga. O termo, em tupi-guarani, significa “águas claras”. São Luiz faz referência ao padroeiro da cidade, São Luís, bispo de Tolosa (Toulouse, na França), nascido em 1275 e falecido em 1298.
•          O sanitarista Oswaldo Cruz nasceu em São Luiz do Paraitinga em 1872, num casarão construído em 1834 em taipa de pilão. Atualmente a Casa Oswaldo Cruz abriga o Memorial da Reconstrução.
•          A tradição caipira de São Luiz do Paraitinga, graças ao caloroso acolhimento do turista pelos moradores, faz a cidade ser chamada de “O Último Reduto Caipira do Estado”. O povo luizense, hospitaleiro, é caipira na essência e não se priva de uma boa comida e uma boa prosa.

Para se chegar até lá:

•          São Luiz do Paraitinga está a 174,1 km de São Paulo
•          Saindo da capital, o trajeto é feito pela BR-116 (a rodovia Dutra) até Taubaté
•          Em Taubaté, o turista deve pegar a saída 111 (Taubaté-Ubatuba).
•          Na rotatória, deve-se seguir as placas em sentido ao Litoral Norte, para entrar na SP-125 (rodovia Oswaldo Cruz) até chegar à cidade.

 
Para saber mais, clique em http://www.turismosaoluizdoparaitinga.com.br/